Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Opinião
Editorial Precisamos matar menos no trânsito

Publicado em: 14/10/2019 03:00 Atualizado em: 14/10/2019 09:15

Os acidentes de trânsito no Brasil são a 2ª causa de morte entre as causas externas de fatalidades. Em 2017, 35.374 pessoas perderam a vida, segundo levantamento do Ministério da Saúde. Essas mortes correspondem a 50,2% dos óbitos entre adultos e jovens com idades entre 15 e 39 anos. O custo para o Sistema Único de Saúde (SUS) com as internações de feridos é alto: em 2018, R$ 265,2 milhões foram gastos no tratamento de sobreviventes das estradas.

Para além dos números de óbitos, dos que sobreviveram com sequelas — em 21% das internações entre os anos de 2000 e 2016, o diagnóstico sugeriu sequela física dos pacientes — e do dinheiro usado para atender os feridos, é preciso entender que as tragédias familiares diárias podem e precisam ser evitadas.

O Brasil tem inúmeros exemplos bem-sucedidos para seguir. Os países com resultados mais eficazes na redução de mortes no trânsito adotaram o modelo semelhante ao que a Suécia chamou de “Visão Zero”. Em linhas gerais, os gestores de lá trabalham com a visão de um sistema seguro, ou seja, em vez de esperar do motorista um comportamento exemplar, o poder público faz com que o sistema de trânsito funcione de tal modo, que as pessoas fiquem menos expostas a fatalidades.

O que se faz para ter um sistema seguro? Há diferentes caminhos e um não exclui o outro: redução da velocidade das vias; diversidade, eficiência e acesso a diferentes modos de locomoção — deslocamentos a pé, de bicicleta, de metrô, de ônibus, de trens e VLTs —; as zonas 30, regiões onde a velocidade máxima dos veículos é de 30km/h, têm sido uma opção em diferentes cidades do mundo, Antuérpia (Bélgica); Nova York (EUA) e Londres (Inglaterra) estão entre elas.

Aliás, ano passado,  prefeito de Londres adotou formalmente o conceito de Visão Zero e estabeleceu como meta eliminar mortes e lesões graves decorrentes de acidentes automobilísticos até 2041. Até lá, há metas menos ousadas para serem cumpridas e que servirão para monitorar as ações do programa.

Para citar um exemplo de sucesso mais próximo da realidade brasileira, podemos falar sobre a transformação ocorrida em Bogotá (Colômbia) a partir da implantação do projeto conhecido como Transmilênio, inspirado no “Ligeirinho”, de Curitiba. Mais do que melhorar o transporte de massa, o poder público tinha uma clara preocupação com a requalificação do espaço público: aumentou as áreas destinadas às calçadas, reduziu bolsões de estacionamentos, restringiu a circulação de automóveis em algumas regiões, ampliou as áreas verdes e investiu em ciclovias. Em uma década, as mortes em Bogotá caíram pela metade.

No Brasil, o Programa Vida no Trânsito reúne estratégias para cumprir a meta da década, de reduzir pela metade as mortes nas vias no período 2010-2020. O país não atingirá o objetivo. De 2010 a 2017, a redução das mortes foi de 17,4%. No entanto, em municípios onde o Via no Trânsito está sendo executado, os resultados são positivos, com quedas até maiores que 50%. É o caso de Aracaju (-55,8%) e Porto Velho (-52%). Em outras capitais, como São Paulo (-44,6%), Belo Horizonte (-44,7%) e Salvador (-42,7%), os avanços foram consideráveis. Mas, como o Vida no Trânsito não alcançou a maioria das cidades, o impacto global ficou aquém do esperado. Mas serviu para provar que, se houver vontade política e investimento, mais vidas serão poupadas.

Sobre Vidas: Nivia e o empoderamento de mulheres no Coque
DP Auto na Tóquio Motor Show - Tudo sobre a Nissan
Sérum, pele natural, sombras coloridas e blush cremoso
Lula: sou um homem melhor do que aquele que entrou na cadeia

Resistência nordestina em cartaz

Diego Rocha *
Celebrando a resistência da arte nordestina e a arte nordestina de resistir, o 21º Festival Recife do Teatro Nacional está em cartaz na cidade para confirmar a vocação de um povo à resiliência e à criatividade. Até o próximo dia 24, a programação montada com muita assertividade pela Prefeitura do Recife irá apresentar 12 espetáculos em vários teatros da cidade, entre eles seis montagens nacionais jamais vistas na capital do Nordeste.
Mas não está toda no ineditismo a urgência que esses espetáculos carregam. Mas também e principalmente na referência e reverência que muitos fazem à estética e às temáticas fincadas no árido solo fértil do Nordeste. Alguns textos, como o da montagem Ariano %u2013 O Cavaleiro Sertanejo, da companhia carioca Os Ciclomáticos sequer foram produzidos no Nordeste. Mas sabem, bebem e comungam do povo que somos. Foram buscar inspiração em autores ensolarados como Ariano Suassuna e os tantos tipos e símbolos que ele fundou e transportou do imaginário nordestino para o mundo.
Há na programação citações ainda mais explícitas à nossa produção teatral. Parido do punho do próprio Ariano, em carne e pena, o clássico Auto da Compadecida chega ao Festival com sotaque mineiro, numa belíssima montagem do Grupo Maria Cutia, com a direção cênica precisa e sensível de Gabriel Villela, que conseguiu unir a cultura do cangaço pernambucano ao barroco mineiro, sem sair da trilha aberta pelo Movimento Armorial de Ariano.
São montagens que nos representam e, ao mesmo tempo, nos apresentam a nós mesmos, além de nos hastear bandeira a congregar territórios artísticos, afetivos e cívicos, num país assombrado e repartido por um projeto de poder excludente. Em cima e embaixo dos palcos, durante e depois do 21º Festival Recife do Teatro Nacional, que a arte e a força nordestina persistam farol aceso a nos guiar.

* Presidente da Fundação de Cultura Cidade do Recife

Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco