Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Opinião
Editorial O impasse na Bolívia

Publicado em: 25/10/2019 03:00 Atualizado em: 25/10/2019 09:13

Acrescente tensão política na Bolívia preocupa governantes dos demais países da América do Sul, depois das idas e vindas na apuração das eleições presidenciais em que o presidente Evo Morales, candidato a um quarto mandato, se autoproclamou vencedor no primeiro turno. Oposicionistas não reconhecem o resultado que daria a vitória ao atual ocupante da Presidência.Insistem em que o maior rival de Evo, o ex-presidente Carlos Mesa, conquistou o direito de disputar o cargo máximo do país num segundo turno e denunciaram uma “fraude gigantesca”.

As manifestações tomaram as ruas das principais cidades do país, incluindo a capital, La Paz, e a mais populosa, Santa Cruz de la Sierra. Manifestantes também fecharam a fronteira nas imediações de Puerto Quijaro, na divisa com o Mato Grosso do Sul. O receio é de que os confrontos tomem maior dimensão e fiquem incontroláveis. No meio das acusações entre situação e oposição, o Conselho da Organização dos Estados Americanos (OEA) aponta que diversos princípios democráticos foram desrespeitados no pleito eleitoral do último domingo e sugere a realização de um segundo turno, também defendida por Mesa.

Para o chefe da missão de observadores do organismo internacional, Gerardo de Icaza, eleições devem “ser regidas pelo princípios da certeza, legalidade, transparência, equidade, independência e imparcialidade. A missão (da OEA) concluiu que vários desses princípios foram violados por diferentes causas ao longo deste processo eleitoral”. Diante disso, sugere uma nova rodada das eleições. Tese apoiada pela influente Igreja Católica boliviana. A Conferência Episcopal da Bolívia (CEB) defende a nomeação de um Superior Tribunal Eleitoral independente para acompanhar uma outra disputa entre Evo e Mesa.

O presidente boliviano, por sua vez, acusa setores da direita de tramarem um golpe de Estado com apoio internacional, mas não indicou os responsáveis pela trama. Segundo Evo, manifestantes contrários a ele atacaram centrais eleitorais para impedir a contagem dos votos. Isso aconteceu depois da convocação, pelos sindicatos, de uma greve geral por tempo indeterminado e de uma marcha pelos principais centros do país. Durante as manifestações, aconteceram cenas de incêndios e vandalismo contra os locais de apuração.

O caos na contagem dos votos se deu porque, fechadas as urnas, o Tribunal Supremo Eleitoral utilizou dois métodos para a apuração: contando voto a voto e somando os votos registrados em atas, que traziam os números de cada mesa. Num primeiro momento, apenas os resultados do segundo método foram divulgados. Quando o escrutínio indicava o segundo turno, a contagem foi suspensa. Daí em diante, criou-se grande confusão, pois a cada hora o tribunal anunciava o resultado por uma metodologia, até que confirmou a vitória de Evo através da apuração pelas atas. Mesa e correligionários não aceitaram a decisão e denunciaram a fraude.

Vários países demonstraram sua preocupação com o momento político vivenciado pela Bolívia, entre eles o Brasil, Argentina, Colômbia e Estados Unidos, assim como a União Europeia. O impasse está criado e espera-se que a crise seja solucionada através do bom senso e diálogo. Que sejam assegurados os direitos democráticos da população boliviana. Pelo bem do país vizinho.

Destaques da semana: caso Miguel, Decotelli fora do MEC e retorno do Campeonato Pernambucano vetado
Inscrições para o Vestibular 2020.2 da Unicap vão até 15 de julho
Um mês sem Miguel : tudo que fazia era por ele, diz Mirtes
03/07 Manhã na Clube com Rhaldney Santos
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco