Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Opinião
Editorial Argentina pós-eleição

Publicado em: 29/10/2019 03:00 Atualizado em: 29/10/2019 09:03

A sabedoria popular diz que vizinho não é escolha. É destino. A afirmação vale para pessoas e nações. Com a extensão territorial de 8,5 milhões de quilômetros quadrados, o fado traçou as fronteiras do Brasil com praticamente todos os países que o contornam. Só Chile e Equador ficaram de fora.

É natural que as relações nem sempre sejam harmoniosas. Não só neste subcontinente, mas também nos demais. Desde que Donald Trump assumiu o poder, por exemplo, trava queda de braço com o México. Quer voltar à Idade Média e construir um muro para impedir que emigrantes ultrapassem os limites dos dois mundos.

Brasil e Argentina também viveram períodos difíceis. Vale lembrar um caso. Durante o governo militar, a negociação para construir Itaipu — cheia de idas e vindas — parecia missão impossível. Chamada, a diplomacia arredondou as arestas e hoje os dois lados usufruem a energia da hidrelétrica.

Bons momentos também figuram nos anais de Brasília e Buenos Aires. O mais alvissareiro é a assinatura do Tratado de Assunção em 1991. Brasil, Argentina, Uruguai e Paraguai criaram o Mercado Comum do Sul — o Mercosul, que alargou as fronteiras dos quatro membros e os sintonizou com o mundo globalizado.

Em 2019, o bloco econômico, depois de 20 anos de avanços e recuos, firmou acordo com a União Europeia. As perspectivas são alentadoras. Além de baratear produtos, deve forçar eficiência e produtividade. Há previsão de troca de tecnologia e avanços na inovação. A indústria brasileira, defasada em decorrência da longa estagnação econômica, prepara-se para a nova fase. A do país vizinho alimenta a mesma expectativa.

Afundada em profunda crise econômica — a pior desde 2001 —, a Argentina foi às urnas no domingo. Elegeu, embora com margem menor do que se esperava, a coalizão Frente de Todos. Na cabeça da chapa, o peronista Alberto Fernández. Como vice, a ex-presidente Cristina Kirchner. A vitória devolve o kirchenismo ao poder.

Durante a disputada campanha presidencial, ficou pouco claro o programa econômico da dupla vencedora. Fernández define-se um liberal de esquerda, progressista, que acredita nas liberdades individuais e na importância da presença do Estado para o que o mercado precisar.

Em 2018, a Casa Rosada obteve empréstimo de US$ 57 milhões do Fundo Monetário Internacional em troca de severo ajuste fiscal. Recebeu US$ 44 milhões. O FMI reteve a parcela de US$ 5,4 bilhões, prevista para setembro, a fim de esperar o resultado da eleição.

A grave crise em que se debate o país — com queda de 2,5% do PIB, inflação próxima de 40%, desemprego de 10,6%, a pobreza acima de 35%, taxa de juros além de 80% — deixa recado ao presidente que assume em dezembro próximo: pragmatismo é preciso.

Mauricio Macri, candidato derrotado, deu provas de civilidade ao convidar Alberto Fernández para o café da manhã no dia seguinte às eleições. É bom sinal. Transição tranquila e respeito aos contratos dão aceno aos mercados e aos parceiros de que aventuras estão descartadas. Bravatas também.

Testes gratuitos de Covid no Recife, Decotelli fora do MEC e mais duas parcelas do auxílio
Imunidade após Covid dura ao menos por 40 dias
Brasil: retração de 331 mil postos de trabalho
Homem Pateta: novo desafio na internet coloca crianças em risco
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco