Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Opinião
Haveria salvação para a nova CPMF?

Alexandre Rands Barros
Economista, PhD pela Universidade de Illinois e presidente do Diario de Pernambuco

Publicado em: 14/09/2019 03:00 Atualizado em: 14/09/2019 07:07

O presidente enterrou a nova CPMF nessa semana, ao demitir Marcos Cintra e declarar que ela não tem seu apoio. Afora a forma indelicada de tomar decisões, a ação foi acertada pelo fato de que esse tributo sobre operações financeiras é muito ruim para a economia. Ele reduz a divisão do trabalho, aumenta o custo de transação e até mesmo a violência pelo fato de as pessoas e empresas passarem a ter mais dinheiro em espécie ao seu dispor a cada momento. Além disso, é um tributo que não aumenta a progressividade da carga tributária nacional, por ser um imposto indireto e que incide com a mesma carga para todas as transações financeiras. Contudo, ela tem um fator positivo, que é estender a contribuição tributária a alguns agentes que estão à margem dela. No Brasil há um número elevado desses indivíduos.
 
É possível se obter esses benefícios da CPMF sem trazer junto todos os seus ônus. Por isso, talvez seja interessante uma análise nessa direção. Todos os recolhimentos de CPMF pelas empresas poderiam ser deduzidos mensalmente dos pagamentos de PIS, Cofins, CSLL e IRPJ, enquanto as pessoas físicas poderiam deduzi-la do IRPF. As pessoas com renda comprovada abaixo dos valores tributáveis, receberiam de volta a CPMF anualmente, corrigida pela Selic, no momento das restituições de imposto de renda. Com isso, a Receita Federal teria material para fiscalização, quando os valores de CPMF pagos forem muito altos em relação aos rendimentos individuais ou faturamento das empresas. Sonegadores não declararão tudo gasto com CPMF para não se expor à fiscalização e terminarão por contribuir para a arrecadação geral com esse tributo não reclamado. Se bem montado, só os sonegadores pagarão CPMF e tal tributo representará uma forma de aumentar a arrecadação sobre eles, introduzindo justiça nas contribuições tributárias no país. A restituição fará com que os agentes (empresas e pessoas) não necessitem elevar a quantidade de dinheiro em mãos ou fugir do sistema bancário, pois não haverá custo para a CPMF paga. Ela representará apenas uma antecipação de pagamentos.
 
Além disso, a CPMF poderia incidir sobre transações com cartão de crédito, servindo como base para tabelar os percentuais que o setor financeiro cobra das empresas como pagamento por transações financeiras através desse instrumento. Enquanto nos E.U.A. cada transação paga em média 0,7% para as operadoras de cartões, no Brasil esse valor é superior a 2,5%. Obviamente há abuso dos bancos e operadoras de cartão nessas taxas. É um caso típico para regulamentação. 0,7% dessa taxa poderia ser CPMF e um teto de 2,0% (no total) poderia ser imposto, consistindo em crime qualquer percentual maior do que esse. Com isso, os bancos e operadoras de cartão de crédito seriam restringidos no atual abuso do poder econômico e o governo federal teria mais uma fonte de arrecadação da CPMF, que eventualmente seria compensada em parte pelos mecanismos descritos acima. Essa política de fato representaria uma redução da carga tributária dos comerciantes, pois eles compensariam em seu benefício parte das taxas que pagam a essas operadoras de cartão. A competição entre as maquininhas de cartão assegurará que as perdas dos bancos e operadoras não serão repassadas aos comerciantes como tarifas mensais pelo uso delas.
 
Nesse modelo operacional, a CPMF não substituiria nenhum imposto alternativo, apesar de aumentar a arrecadação apenas estendendo a base de contribuintes. Não causaria desintermediação financeira relevante nem reduziria a especialização das empresas formais, que pagam impostos. Ou seja, ela traria os bônus da CPMF sem a maioria de seus ônus.

Sobre Vidas: Nivia e o empoderamento de mulheres no Coque
DP Auto na Tóquio Motor Show - Tudo sobre a Nissan
Sérum, pele natural, sombras coloridas e blush cremoso
Lula: sou um homem melhor do que aquele que entrou na cadeia

Resistência nordestina em cartaz

Diego Rocha *
Celebrando a resistência da arte nordestina e a arte nordestina de resistir, o 21º Festival Recife do Teatro Nacional está em cartaz na cidade para confirmar a vocação de um povo à resiliência e à criatividade. Até o próximo dia 24, a programação montada com muita assertividade pela Prefeitura do Recife irá apresentar 12 espetáculos em vários teatros da cidade, entre eles seis montagens nacionais jamais vistas na capital do Nordeste.
Mas não está toda no ineditismo a urgência que esses espetáculos carregam. Mas também e principalmente na referência e reverência que muitos fazem à estética e às temáticas fincadas no árido solo fértil do Nordeste. Alguns textos, como o da montagem Ariano %u2013 O Cavaleiro Sertanejo, da companhia carioca Os Ciclomáticos sequer foram produzidos no Nordeste. Mas sabem, bebem e comungam do povo que somos. Foram buscar inspiração em autores ensolarados como Ariano Suassuna e os tantos tipos e símbolos que ele fundou e transportou do imaginário nordestino para o mundo.
Há na programação citações ainda mais explícitas à nossa produção teatral. Parido do punho do próprio Ariano, em carne e pena, o clássico Auto da Compadecida chega ao Festival com sotaque mineiro, numa belíssima montagem do Grupo Maria Cutia, com a direção cênica precisa e sensível de Gabriel Villela, que conseguiu unir a cultura do cangaço pernambucano ao barroco mineiro, sem sair da trilha aberta pelo Movimento Armorial de Ariano.
São montagens que nos representam e, ao mesmo tempo, nos apresentam a nós mesmos, além de nos hastear bandeira a congregar territórios artísticos, afetivos e cívicos, num país assombrado e repartido por um projeto de poder excludente. Em cima e embaixo dos palcos, durante e depois do 21º Festival Recife do Teatro Nacional, que a arte e a força nordestina persistam farol aceso a nos guiar.

* Presidente da Fundação de Cultura Cidade do Recife

Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco