Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Opinião
Editorial Soberania intocável

Publicado em: 28/08/2019 03:00 Atualizado em: 28/08/2019 09:38

Inadmissível qualquer alusão à internacionalização da Amazônia, como a feita pelo presidente francês, Emmanuel Macron, no final da cúpula do G7, grupo de países mais ricos do mundo, ocorrida na charmosa Biarritz, no litoral sul da França. O Brasil não aceita qualquer ingerência externa em seus assuntos internos. No entanto, o país está aberto a todo tipo de colaboração de outras nações no combate às queimadas e ao desmatamento que vêm devastando a Região Amazônica. Isso, desde que sob controle total e absoluto do governo brasileiro, em território nacional e em parceria com os demais países que abrigam o bioma sem igual no mundo.

A sociedade brasileira não permitirá qualquer ameaça à soberania nacional. Ela é intocável. Se o líder franco tinha a intenção de colocar as demais lideranças de peso mundiais contra o a política brasileira relativa à floresta amazônica, não logrou êxito. Não houve consenso entre os mandatários dos Estados Unidos, Alemanha, Reino Unido, Itália, Canadá e Japão (a China não faz parte do grupo) e nenhum comunicado conjunto foi assinado condenando o Brasil por causa das queimadas e do desmatamento que todos os anos ocorrem na Amazônia. Depois da cúpula, o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, chegou a manifestar, através das redes sociais, apoio às ações do governo brasileiro para debelar o fogo que consome a floresta nesta época de seca.

Não há justificativa para que Macron sugira a criação de um estatuto internacional para a Amazônia, se um Estado — no caso, o Brasil — fosse, na visão dele, contrário aos interesses do planeta. O presidente francês ultrapassa todos os limites do razoável quando diz que o desafio climático mundial é tão grave e de tamanha grandeza que nenhum Estado pode assumir sozinho o problema e que a questão está em aberto para os próximos meses e anos. Ele, inclusive, revelou que levará o debate para a próxima Assembleia Geral da ONU, em Nova York, no próximo mês. Ou seja, acena com a possibilidade de intervenção externa.

Todo tipo de auxílio internacional é bem-vindo para a preservação da maior floresta tropical do planeta, mas apenas sob a inegociável condição de que a proposta de outros países, sobretudo da Europa, respeite a soberania nacional das nações (Bolívia, Brasil, Colômbia, Equador, Guiana, Peru, Suriname e Venezuela) que integram a Organização do Tratado de Cooperação Amazônica, único bloco socioambiental dedicado à região. Que a ajuda de fora esteja sob total e inconteste controle desses estados-membros do organismo internacional.

No embate com o Brasil, não se pode esquecer que Macron, de acordo com especialistas independentes, pode estar tentando criar um clima de beligerância para jogar com o público interno de seu país. Isso, para ter o pretexto e abrir confronto com o agronegócio brasileiro, inclusive com o retorno dos embargos internacionais às commodities brasileiras, com o intuito de proteger os produtores rurais franceses. A verdade é que os demais líderes do G7 não caíram na armadilha do francês e ele ficou isolado. E o inquestionável é que, em nenhuma hipótese, o Brasil concordará em discutir, em nível mundial, a soberania de parte de seu inviolável território.

DP Auto na Tóquio Motor Show - Tudo sobre a Nissan
Sérum, pele natural, sombras coloridas e blush cremoso
Resenha SuperEsportes: o quase do Sport, sub-20 do Santa e eleições no Náutico
Lula: sou um homem melhor do que aquele que entrou na cadeia
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco