Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Opinião
Por que tanto veneno nas nossas lavouras?

Isaltino Nascimento
Deputado estadual do PSB/PE

Publicado em: 27/07/2019 03:00 Atualizado em: 28/07/2019 08:26

Acordamos essa semana com a notícia de que o Brasil agora tem disponível para uso em suas lavouras mais 51 novos tipos de agrotóxicos. Somente este ano passamos para 262 venenos liberados, que vêm direto para a boca dos nossos filhos.

O ritmo acelerado na aprovação desses pesticidas demonstra a força da bancada ruralista no Congresso Nacional e a subserviência do governo às indústrias do agronegócio. Esse time tem driblado feito Ronaldinho Gaúcho em campo o PL do Veneno em tramitação na Câmara dos Deputados, cujo escopo é facilitar a autorização e o comércio de agrotóxicos no país.

O fato é que as indústrias não precisam nem se abespinhar para que seja aprovado o projeto de lei. Os novos venenos têm os riscos avaliados pela Anvisa; o Ibama analisa a parte ambiental e, por fim, o Ministério da Agricultura checa a eficácia do produto em campo. Assim, a torcida do veneno tem o governo na mão sem precisar aprovar nova legislação.

Para o Governo Federal pouco importa o meio ambiente ou se o câncer ou o Alzheimer vão crescer entre nós. A saúde cobra a conta do uso indiscriminado de inseticidas, mas o que interessa é o “gol de placa” do mercado do agronegócio. O lucro está acima, o governo baixa a cabeça e nós vamos nos empilhando nas emergências das redes privada e pública de saúde. O interesse é baixar o valor do veneno no mercado e vender.

Em Pernambuco não vamos assistir da arquibancada essa partida injusta. Pediremos um VAR, e como juiz de futebol em campo nos dias de hoje, observaremos tudo no detalhe e com a seriedade que o tema requer. Nos debruçaremos sobre a legislação estadual vigente e assim cuidaremos das nossas plantações e lavouras, da economia e da saúde da população.  

Na Assembleia Legislativa de Pernambuco vamos promover, através do nosso mandato, uma grande audiência pública para analisar coletivamente o nível de envenenamento dos alimentos, do solo e da água e como podemos nos proteger. Discutiremos a agricultura familiar e as necessidades para o incentivo à agroecologia.

Não queremos liderar esse ranking perverso de uso de veneno. Vamos pensar como restringir as regras para a comercialização e o uso dos agrotóxicos em Pernambuco.

Majé Molê: um quilombo urbano na comunidade de Peixinhos
Creche na Ilha de Deus, uma promessa de doze anos
Entenda os riscos da escoliose para saúde
Primeira Pessoa com Bione
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco