O hambúrguer do Maine ou: Quanto vale a embaixada

Luiz Otavio Cavalcanti
Ex-secretário da Fazenda e ex-secretário de Planejamento de Pernambuco.

Publicado em: 16/07/2019 03:00 Atualizado em: 16/07/2019 20:28

Então, tá. Qual o critério para ser indicado embaixador ?

A diplomacia brasileira tem tradição. É respeitada nas relações profissionalizadas da carreira. Tal respeito decorre de três fatores: seriedade administrativa, capacidade técnica e respeito com a instituição diplomática.

Os diplomatas brasileiros são admitidos por concurso público. São formados no Instituto Rio Branco. Estudam Relações Internacionais, Geopolítica, línguas e outras disciplinas afins à política externa. Começam na função de 3º secretário. E alcançam, após trinta anos de carreira, o posto de embaixador.

Por outro lado, diplomatas cumprem uma geografia importante de funções no exterior. Em muitos países. Com experiência no trato de assuntos variados. Desde temas comerciais até questões multilaterais. Passando por programas de parceria ambiental e cultural.

Trata-se, portanto, de qualificação baseada em sólido preparo técnico. E em longa experiência internacional. Por isso, as outras diplomacias respeitam os quadros brasileiros. Esse perfil vem de Rio Branco. Passa por diplomatas do quilate de Marcos Azambuja, Marcílio Marques Moreira, Rubens Ricúpero, Sérgio Correa. Cujo brilho reflete a prata dos cabelos desses homens.    

Não se agrega valor nem respeito à diplomacia brasileira designando representante que pretende se credenciar ao cargo por ter fritado hambúrguer.

Mas, o aspecto que eu desejo acentuar é outro. Quero destacar o fato de que a designação do embaixador brasileiro em Washington não pode ser tratada como trivialidade. Não pode ser objeto de decisão marcada por caráter dinástico. O tempo das dinastias, no Brasil, passou. Restou apenas na Arábia. E na representação venezuelana na ONU. Com a filha de Hugo Chavez.

Representação diplomática é coisa séria. Porque carrega as cores brasileiras. Ressalta os valores culturais da nacionalidade. É emblemática da qualidade com que a diplomacia é conduzida.

A representação diplomática em Washington é ainda mais estratégica. Pela relevância da economia americana. E pelo conjunto de interesses econômicos e políticos que perpassam o contexto das relações entre Brasília e Washington.   

O hambúrguer do Maine não vale a embaixada.

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.