Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Opinião
Euphonio e frevo de bloco: beleza nas ruas do Recife

Luzilá Gonçalves Ferreira
Doutora em Letras pela Universidade de Paris VII e membro da Academia Pernambucana de Letras

Publicado em: 02/07/2019 03:00 Atualizado em: 02/07/2019 16:34

A maioria do auditório, imagino, nunca tinha ouvido falar e só uma parte das pessoas tinha visto o instrumento: uma espécie de tuba, só que menor, o dicionário dizia: um certo harmônio. Assinalava adjetivos correspondentes: eufônico suave melodioso. E um substantivo: eufonia, querendo significar som agradável ao ouvido, elegância e suavidade na pronúncia. E aí entra o músico, jovem, um tanto tímido. E Rachel Casado, talentosa pianista que o acompanharia nos apresenta Caio César da Silva, convidado a estudar na Suíça. Rachel faz um simpático pedido: uma ajuda financeira seria bem vinda, o público dará uma mãozinha e a gente diz, atenção poderes públicos. Mas, enfim, Caio apresenta o instrumento, toca maravilhosamente, música clássica, arranjos e criação de Claudio Santoro, maestro de fama internacional, vejam currículo no Google, que foi professor na Universidade de Brasília, um desses enormes talentos que o país produz. Ouvimos o Luar de meu Bem, o primeiro movimento do Concerto para Eufônio, de Philip Wilby, um frevo do Maestro Duda e o inesquecível Granada de Agustin Lara. Nesse  repertório eclético, a sensível interpretação das melodias nos faz esquecer o mundo lá fora. Como te agradecer Caio, essa tua aposta na beleza? Na segunda parte do programa de Música na APL, domingo passado, o recital da Orquestra e Coral Levino Ferreira, com direção do maestro Lúcio Sócrates, nos fez percorrer as ruas do Recife, em suas manhãs de sol, como o queria J. Michiles (atenção, Carlos Amaral acaba de publicar pela Cepe, a biografia desse músico tão pernambucano), ou no Recife Iluminado do maestro Forró. Um ar de nostalgia em tudo, desde os títulos: Saudosos Carnavais, de Dimison Cesar e Mariinha Leão, Flabelo de Ilusões, de Heleno Ramalho, A dor de uma saudade de Edgar Moraes, o Último regresso de Getúlio Cavalcante, as Alegorias de Claudio Almeida e Humberto Vieira. Vibração na extraordinária interpretação da orquestra, e a gente se pergunta como  vivem de música esses mais que talentosos artistas numa cidade que só os lembra por ocasião do carnaval?  Perdoem a digressão. Lindas e afinadas vozes femininas e as fantasias belíssimas, coloridas, criativas, acompanhavam a orquestra. A presença dos compositores foi uma alegria a mais. E para concluir, com chave de ouro, esse homem dos sete instrumentos, como se dizia antigamente, Valmir Chagas, o irreverente e amado Véio Mangaba, nos apresentou uma incrível releitura de nosso genial Noel Rosa: Último desejo, que qualquer pessoa que já amou não pode escutar sem se comover: mas em ritmo de frevo, num arranjo dele, Walmir e de Claudio Almeida. Emoção redobrada. Nota: antes de enviar este artigo para a redação,  reli todo o texto a me espantei com a quantidade de adjetivos de louvação. Mas que querem? a tarde do domingo passado na APL foi mesmo cheia de criatividade, de gente linda, talentosa, genial, pernambucaníssima. 

Sobe, Lia, sobe.
João Alberto entrevista Larissa Lins
Como se preparar para as provas do SSA 3 da UPE
Pelé abre o jogo e fala sobre racismo, mil gols e sucessor
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco