Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Opinião
Editorial Acordo comercial e desmatamento

Publicado em: 15/07/2019 03:00 Atualizado em: 15/07/2019 10:12

A revelação do crescimento de 60% no desmatamento da Floresta Amazônica em junho, em comparação com o mesmo período do ano passado, pegou de surpresa as autoridades brasileiras. Isso porque países da União Europeia (UE) ameaçam se opor ao acordo comercial firmado, recentemente, pelo bloco europeu e o Mercosul, o que está sendo considerado a maior realização do governo do presidente Jair Bolsonaro. Os europeus condicionaram a ratificação do pacto de trocas comerciais ao cumprimento de acordos internacionais de preservação do meio ambiente, como o Acordo de Paris, assinado em 2015, quando o Brasil se comprometeu a zerar o desmatamento ilegal na Amazônia até 2030.

O festejado pacto com os países do velho continente pode tornar-se uma vitória de Pirro, caso se confirme a expectativa de que a destruição da Floresta Amazônica aumentará nos próximos meses. O período seco na região se aproxima e é justamente nessa época que se intensifica a exploração madeireira. Caso as previsões se confirmem, os ambientalistas da Europa terão poderosa arma para contestar o acordo entre o Mercosul e a UE, pois há uma cláusula que veta a comercialização de produtos originários de áreas desmatadas. Não se pode esquecer que a representação dos verdes no Parlamento Europeu cresceu e é lá que o pacto entre os dois blocos comerciais deve ser contestado com mais veemência.

Contra os números não há argumentos. De acordo com o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), a floresta perdeu, no mês passado, 762,3 km2 de mata nativa, o equivalente a duas vezes a área de Belo Horizonte. Em junho de 2018, a destruição atingiu a marca dos 488,4 km2. Ambientalistas alertam que o desmatamento pode ser maior ainda, uma vez que o monitoramento detecta apenas grandes áreas e as não ocultas pelas nuvens. Mesmo assim, o levantamento do Inpe é considerado importante ferramenta para a fiscalização.

Os dados referem-se a desmatamentos com solo exposto, com vegetação remanescente e devastação causada pela mineração. Especialistas alertam que a tendência é de crescimento dessas áreas, sobretudo por causa do discurso oficial de combate à indústria da multa e contrário à destruição, pelos fiscais dos organismos ambientais governamentais, de equipamentos de desmatadores apreendidos nas operações de fiscalização. Na visão dos ambientalistas, isso acaba estimulando a ação de madeireiras ilegais.

Se realmente acontecer, entre alguns países europeus, oposição sistemática ao acordo por causa de questões ambientais, o Palácio do Planalto deveria mudar seu discurso e fechar o cerco às atividades dos devastadores. O primeiro alerta foi dado: os governos da Alemanha e da Noruega, países financiadores do Fundo Amazônia — iniciativa voltada para a proteção do bioma —, paralisaram o repasse de recursos. Inegável que a assinatura do acordo entre a UE e o Mercosul é um enorme avanço e grande ganho para o Brasil. No entanto, o incremento do desmatamento da Amazônia não pode virar instrumento de pressão para emperrar a ratificação desse vital pacto comercial.

Rhaldney Santos entrevista João Paulo (PCdoB)
Enem para todos com professor Fernandinho Beltrão
Rhaldney Santos entrevista Dr Carlos Romeiro, ortopedista
Rhaldney Santos entrevista Celso Muniz (MDB)
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco