Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Opinião
A inspiradora Praia dos Milagres

Marcus Prado
Jornalista
marcuspradoimprensa@gmail.com

Publicado em: 01/07/2019 03:00 Atualizado em: 01/07/2019 09:32

Está faltando na Praia dos Milagres, em Olinda, um obelisco para celebrar a sua importância histórica, por ter sido a escolhida, no início do século passado, pelos vultos mais importantes da ciência e da literatura de Pernambuco: Mário Shenberg, José Leite Lopes, Leopoldo Nachbin, Paulo Ribenboim, Samuel MacDowell.  Numa entrevista de página inteira concedida ao saudoso escritor, poeta e jornalista pernambucano Garibaldi Otávio, publicada no famoso caderno literário do Jornal da Tarde (SP), do qual Garibaldi era editor (e Ângelo Castelo Branco, seu colaborador), o físico pernambucano Mário Shenberg disse que foi nas suas caminhadas semanais pelas areias da Praia dos Milagres que surgiram as primeiras ideias que depois seriam ampliadas, no campo da astrofísica, ao desenvolver com G. Gamov (celebrado por suas teorias cosmológicas), o que se tornariam conhecida como Efeito Urca, explicação que postula pela primeira vez a emissão de neutrinos em processos estelares.

Anos depois, ao lado de Gamov, o físico pernambucano elabora, então, uma teoria das Estrelas Novas e Supernovas que despertou grande interesse nos meios físicos e astronômicos do mundo inteiro. Além de físico admirado por Albert Einstein, de quem era amigo, Shenberg também esteve presente como crítico de arte, curador da Bienal de São Paulo e político muito atuante. Como militante do Partido Comunista, foi eleito e cassado, por duas oportunidades, Teve expressiva participação em numerosos movimentos artísticos e políticos, dentro e fora do Brasil.. Outros que se entregavam aos encantos daquela Praia foram Gilberto Amado, Joaquim Cardozo, Álvaro Lins, Carlos Pena Filho,Luiz Delgado,Cícero Dias, Joaquim Amazonas, Vicente do Rego Monteiro, Ladjane Bandeira.

E por falar do amor às águas dessa praia olindense, a mesma praia de Gilberto Freyre e seus também celebrados companheiros de geração pernambucana (o último tem sido o sociólogo Clóvis Cavalcanti), a praia de Cecília Burle Marx,(mãe de Burle Marx), de Auta de Souza (amiga de Cecília, na sua temporada recifense) e Anaide Beiriz (no seu exilio olindense), quero lembrar a divina Clarice Lispector. É dela uma das mais belas e comoventes impressões sobre a Praia da  Marim dos Caetés. “Nunca fui tão feliz quanto naquelas temporadas de banhos em Olinda.”. Num dos seus contos de doçura e leveza, Banho de Mar, ela abre o coração pleno de lembranças do seu tempo de menina: “A quem devo pedir que na minha vida se repita a felicidade? Como sentir com a frescura da inocência o sol vermelho se levantar? Nunca mais? Nunca mais. Nunca”.

Clarice e a saudade que teria o resto da vida dos seus “pés deitados na areia”, do som do mar, (aquelas conchas que traziam o mar e sua maresia dentro de si), do banho de sol e das caminhadas à beira mar, do sol nascer sem pressa e radiante sobre a crista das espumas salgadas, vindas dos corredores profundos do Oceano. Tudo valia para ver o mar se espreguiçando na Praia dos Milagres. Aquilo é que era a felicidade, diria nos seus escritos. “Nunca mais? Nunca mais. Nunca”.

Trio de Ferro e Decisão Bonito campeão do Pernambucano A2
De 1 a 5: o que há de novo na gastronomia recifense?
Democracia do cinema: quem pode assistir e quem tem o direito de fazer
Depois de 580 dias, ex-presidente Lula deixa a prisão
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco