Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Mundo

GUERRA

'Não há lugar seguro', diz prefeito de Kharkiv

Por: AFP

Publicado em: 28/07/2022 11:50

 (Foto: Genya SAVILOV / AFP)
Foto: Genya SAVILOV / AFP
O fogo de artilharia ressoa em um bairro da zona oeste de Kharkiv, sob fogo russo há semanas, mas o prefeito da segunda maior cidade da Ucrânia, Igor Terekhov, mal presta atenção.

"Os agressores estão tentando transformar Kharkiv em uma cidade lamentável, semelhante às que têm na Rússia", diz em entrevista à AFP. 

"Mas não vão conseguir", promete o prefeito, de 55 anos, que foi eleito em novembro passado, poucos meses antes da invasão russa da Ucrânia. 

Cidade predominantemente de língua russa situada a poucas dezenas de quilômetros da fronteira, Kharkiv está na linha de frente desde 24 de fevereiro e é palco de intensos bombardeios e combates. 

Mas os russos nunca conseguiram ocupá-la, recuando contra o Exército ucraniano a partir de meados de abril. 

A cidade continua, no entanto, sendo alvo de intenso bombardeio, que ceifa vidas diariamente. 

A foto de um pai chocado segurando a mão de seu filho, um jovem adolescente morto perto de um ponto de ônibus na semana passada, resume o sofrimento que seus habitantes.

Nenhum bairro é seguro 
 
"Temos nove bairros na cidade, e todos são atacados com intensidade variável e em momentos diferentes. Então, podemos dizer que nenhum lugar é seguro", resume o prefeito. 

"Você só está seguro em abrigos e no metrô. Mas isso é tudo", acrescenta. 

No final de março, quase um terço da população da cidade, que tinha em torno de 1,4 milhão de habitantes antes da guerra, fugiu para o oeste. 

A cidade experimentou uma breve pausa no início de maio, quando as forças russas recuaram e os principais combates se voltaram para a Batalha do Donbass, no leste. 

Naquela época, cerca de 2.000 pessoas retornavam diariamente para Kharkiv, as lojas estavam reabrindo e os moradores estavam começando a deixar seus abrigos. 

Mas a trégua durou pouco. 

Segundo Igor Terekhov, as vítimas são centenas, embora não esteja em condições de fazer um balanço preciso. 

"Estamos enfrentando um genocídio contra o povo e a nação ucranianos", denuncia.

Cerca de 30% das casas e apartamentos da cidade estão destruídos, continua o prefeito, que estima em 150 mil o número de pessoas desabrigadas.

"Foram destruídos 101 jardins de infância, 110 escolas, 53 estabelecimentos médicos e um centro perinatal", enumera, acrescentando que "a maioria destas infraestruturas não poderá ser reconstruída".

Vários funcionários municipais temem uma nova tentativa das forças russas de tomar Kharkiv. 

"Estamos preparados. Nosso exército também está preparado. Defenderemos nossa cidade", declara Terekhov, embora confesse não saber quais são as intenções russas. 

Apesar de tudo, o prefeito não se deixa abater, evocando o futuro, e sua visão do renascimento de Kharkiv que vai combinar o charme dos prédios da cidade velha com a modernidade de uma cidade que atrai empresas de tecnologia.

"Depois da nossa vitória, haverá uma nova dinâmica em Kharkiv e em toda Ucrânia", acredita.

"Teremos a oportunidade de construir uma nova cidade e um novo país", conclui.
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
WIDGET PACK - Sistema de comentários
Rhaldney Entrevista: Orson Lemos (TRE-PE), dra. Elizabeth Moreno e Cristiano Carrilho
Manhã na Clube: entrevistas com dra. Silvia Fontan, oncologista, e a advogada Géssica Araújo
Taiwan inicia testes militares e acusa Pequim de preparar invasão
Incêndio em terceiro tanque de petróleo no oeste de Cuba
Grupo Diario de Pernambuco