Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Mundo

DIPLOMACIA

Itália propõe à ONU plano de paz na Ucrânia

Por: AFP

Publicado em: 20/05/2022 12:47

 (Foto: Marco BERTORELLO / AFP)
Foto: Marco BERTORELLO / AFP
A Itália propôs um plano para restaurar a paz na Ucrânia em um documento detalhado elaborado pelo Ministério das Relações Exteriores e entregue à Organização das Nações Unidas (ONU), anunciou nesta sexta-feira (20) o chanceler italiano, Luigi di Maio.

"O plano de paz italiano é uma proposta que já discuti com o secretário-geral da ONU, Antonio Guterres, há dois dias (quarta-feira) em Nova York e que prevê a criação de um grupo de facilitação internacional composto por organizações como as Nações Unidas, a União Europeia e a Organização para a Segurança e Cooperação na Europa", explicou Di Maio em entrevista coletiva.

"O objetivo é trabalhar passo a passo (...) começando, por exemplo, com tréguas localizadas, a evacuação de civis, a abertura de corredores humanitários seguros, e depois aumentando até chegar a um cessar-fogo geral", explicou.

A iniciativa italiana surge em um momento em que o conflito na Ucrânia ameaça desencadear uma grave crise energética e alimentar em todo o mundo, pois afeta a atividade agrícola e as exportações de cereais da Ucrânia, país que era o quarto maior exportador de milho e estava prestes a ser o terceiro maior exportador de trigo.

Os detalhes do plano não foram divulgados à imprensa, mas foi antecipado pelo jornal italiano La Repubblica, que teve acesso ao documento detalhado elaborado por diplomatas.

O plano centra-se essencialmente em quatro pontos: cessar-fogo, a neutralidade da Ucrânia, apoiada por uma "garantia" política internacional a ser discutida no âmbito de uma conferência de paz, questões territoriais (Crimeia e Donbass) e um novo tratado multilateral de segurança e paz. 

A Itália, terceira maior economia da zona do euro, é particularmente afetada pelo conflito na Ucrânia, especialmente devido à sua dependência do gás russo.

Pobre em recursos energéticos e desprovida de usinas nucleares, a península importa 95% do gás que consome, 40% do qual vem da Rússia.
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
WIDGET PACK - Sistema de comentários
Toalhas de Lula e Bolsonaro movimentam o comércio e dão o tom das eleições
Desemprego cai a 9,8% entre março e maio no Brasil
Manhã na Clube: entrevistas com o deputado federal Daniel Coelho e com a Dra. Magda Maruza
Registro de armas dispara no Brasil durante governo Bolsonaro
Grupo Diario de Pernambuco