Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Mundo

GUERRA

ONU calcula que número de refugiados ucranianos pode alcançar 8,3 milhões

Por: AFP

Publicado em: 26/04/2022 10:20

 (Foto: Philippe LOPEZ / AFP)
Foto: Philippe LOPEZ / AFP
A ONU afirmou nesta terça-feira que 8,3 milhões de pessoas podem fugir da Ucrânia este ano devido à invasão russa iniciada em 24 de fevereiro, o que levou a organização a dobrar o pedido de ajuda humanitária para enfrentar a crise.

A Organização das Nações Unidas calcula que 5,2 milhões de ucranianos já fugiram do país devido ao conflito. 

Com o agravamento da situação, o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (Acnur) - que no início da guerra calculava que o conflito provocaria quatro milhões de refugiados - solicitou, 1,85 bilhão de dólares para financiar suas ações e as de seus colaboradores.

Esta atualização das projeções "foi estabelecida em colaboração com as autoridades e com os países vizinhos, mas é importante recordar que a situação é muito dinâmica", declarou a porta-voz do Alto Comissariado, Shabia Mantoo, em uma entrevista coletiva em Genebra. 

Ao mesmo tempo, a ONU dobrou, a 2,25 bilhões de dólares, o pedido de ajuda humanitária de emergência para a Ucrânia.

"Agora são necessários 2,25 bilhões de dólares para responder às necessidades da Ucrânia, mais que o dobro do valor pedido (1,1 bilhão de dólares) quando apresentamos o pedido em 1º de março, poucos dias depois do início da guerra", afirmou o Escritório da ONU para a Coordenação de Assuntos Humanitários.
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
WIDGET PACK - Sistema de comentários
Manhã na Clube: entrevista com Maria Zilá Passo, advogada especialista em direito da saúde
Fechamento de escolas durante pandemia pode gerar prejuízos por décadas no Brasil
Cada vez mais brasileiros procuram a medicina tradicional chinesa
Manhã na Clube: entrevistas com Bruno Rodrigues e Débora Almeida
Grupo Diario de Pernambuco