Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Mundo

CHINA

Polícia de Hong Kong acusa dois de sedição após operação contra jornal

Por: AFP

Publicado em: 30/12/2021 10:07

 (Foto: Daniel SUEN / AFP)
Foto: Daniel SUEN / AFP
A polícia de Hong Kong acusou, nesta quinta-feira (30), dois membros do jornal pró-democracia Stand News de "conspirarem para publicar" informações sediciosas, após uma operação contra o veículo, em um contexto de crescente deterioração da liberdade de imprensa no território semiautônomo chinês.

"O Departamento de Segurança Nacional da Polícia (...) acusou oficialmente dois homens de 34 e 52 anos e um meio digital de conspiração para publicar conteúdo sedicioso", declarou a polícia em um comunicado.

A mídia local noticiou que os acusados são o editor Patrick Lam e seu antecessor Chung Pui-ken. Ambos foram presos na quarta-feira (29), junto com outras cinco pessoas ligadas ao veículo.

O jornal anunciou seu fechamento, depois que a polícia prendeu sete funcionários e fez uma batida em sua redação, expondo a diminuição da liberdade de imprensa na cidade, um centro financeiro internacional.

"Devido à situação atual, o Stand News deixará de operar imediatamente e deixará de atualizar seu site e suas redes sociais", que serão fechadas nos próximos dias, informou o jornal digital no Facebook horas após a operação.

Mais de 200 policiais uniformizados e à paisana participaram das operações de busca na redação e em residências particulares. De acordo com o polícia, foram apreendidos telefones, computadores, documentos e mais de US$ 64.000 em dinheiro.

O Stand News é o segundo veículo pró-democracia a ser fechado em Hong Kong, após uma operação policial. Em junho, o Apple Daily, muito crítico de Pequim, fechou as portas, depois do congelamento de seus bens e da prisão de vários de seus executivos.

Esta segunda operação aumenta a preocupação com a liberdade de imprensa nesta cidade em tese semiautônoma e sede regional de vários meios de comunicação internacionais. Desde os protestos pró-democracia de 2019, Pequim vem expandindo seu controle neste território.

Condenação dos Estados Unidos
Estados Unidos, Canadá e União Europeia condenaram a operação.

"Ao silenciar a mídia independente, a RPC (República Popular da China) e as autoridades locais minam a credibilidade e a viabilidade de Hong Kong", comentou o secretário de Estado americano, Antony Blinken. 

A chefe do governo de Hong Kong, Carrie Lam, reagiu, afirmando que concordava com uma parte da declaração de Blinken, em que ele diz que "jornalismo não é sedição".

"Jornalismo não é sedição, mas as ações e as atividades sediciosas e a incitação de outras pessoas por meio de ações públicas não podem ser toleradas sob o pretexto de cobertura jornalística", declarou Lam. 

O governo chinês também respondeu às críticas. 

"Algumas forças externas, sob o pretexto de defenderem a liberdade de imprensa, têm feito declarações irresponsáveis sobre a aplicação da lei em Hong Kong", comentou o porta-voz do Ministério chinês das Relações Exteriores, Zhao Lijian. 

O Comitê para a Proteção dos Jornalistas descreveu a ação como "um ataque aberto à já violada liberdade de imprensa de Hong Kong".

A mídia local informou que, entre os detidos, também há quatro membros do conselho administrativo que renunciaram em junho, incluindo a estrela pop local Denise Ho e a advogada Margaret Ng.

O superintendente de polícia Steve Li acusou o veículo de publicar artigos que incitavam o ódio contra o governo de Hong Kong, como noticiar que manifestantes estavam "desaparecidos", ou que direitos foram "violados".

"Essas são acusações maliciosas sem base nos fatos", disse Li em entrevista coletiva, anunciando também o congelamento de US$ 7,8 milhões em ativos.

"Editorialmente independente"
 
Fundado como uma publicação digital sem fins lucrativos em 2014, o Stand News foi indicado ao prêmio Liberdade de Imprensa da organização Repórteres Sem Fronteiras em novembro deste ano.

"O Stand News era editorialmente independente e se dedicava a proteger os valores centrais de Hong Kong, como a democracia, os direitos humanos, a liberdade, o Estado de direito e a justiça", afirma o comunicado de despedida.

Durante os grandes protestos pró-democracia de 2019 - em alguns momentos violentos -, a polícia entrou em confronto com vários repórteres do Stand News.

Após essas manifestações, Pequim aumentou o controle sobre a ex-colônia britânica. A principal medida foi a imposição, em junho de 2020, de uma lei de segurança nacional usada para a detenção de vários opositores.

A Associação de Jornalistas de Hong Kong e o Clube de Correspondentes Estrangeiros expressaram "profunda preocupação" e pediram respeito à liberdade de imprensa.
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
OMS: é possível encerrar fase aguda da pandemia este ano
Manhã na Clube: entrevistas com Carlos Veras (PT), Frederico Menezes e Marlon Malassa
Zuri: 11 anos, multiinstrumentista, compositor e prodígio da música faz campanha para comprar violão
Bolsonaro cancela visita à Guiana devido à morte de sua mãe
Grupo Diario de Pernambuco