Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Mundo

PANDEMIA

Alemanha tenta reagir após registrar recorde de 50 mil casos diários de Covid

Por: AFP

Publicado em: 11/11/2021 10:39

 (Foto: Nikolay DOYCHINOV / AFP)
Foto: Nikolay DOYCHINOV / AFP
A epidemia de Covid-19 acelera na Alemanha, que nesta quinta-feira (11) superou a marca de 50.000 contágios diários e registra cada vez mais hospitalizações, o que levou o futuro chanceler Olaf Scholz a comentar a situação delicada.

O social-democrata, provável sucessor de Angela Merkel, observa o surgimento da primeira crise de um mandato que não deve começar antes de dezembro, à espera da conclusão das negociações entre seu partido SPD, o Partido Verde e o FDP (Partido Democrático Liberal).

Mesmo antes de assumir o cargo, Scholz decidiu atacar o problema para desativar as críticas que aumentam diante da falta de preparo do país à nova onda da pandemia.

A Alemanha registrou nesta quinta-feira o maior número de infecções diárias de Covid-19 desde o início da pandemia, com 50.196 novos casos em 24 horas, segundo o instituto de vigilância sanitária Robert Koch.

Esta é a primeira vez que o país supera a marca de 50.000 casos diários. A Alemanha enfrenta atualmente uma onda de contágios que provocou vários recordes de infecções nos últimos dias.

O balanço de mortes por Covid-19 nesta quinta-feira foi de 235.

"Temos que adotar medidas necessárias muito numerosas para passar este inverno. Devemos proteger nosso país neste inverno", afirmou Scholz, atual vice-chanceler, no Parlamento, onde seu partido apresentou, ao lado dos futuros sócios de coalizão, novas propostas para lutar contra a Covid.

A futura coalizão de governo aposta em uma nova campanha de vacinação, testes de detecção em larga escala e restrições para as pessoas não vacinadas.

"O primeiro e mais importante é não ceder em nossos esforços para que mais cidadãos sejam vacinados. Nem todos estão convencidos de que é o que devem fazer", declarou Scholz.

"Sabemos qual será a consequência: um número muito grande daqueles que não estão vacinados serão infectados", advertiu.

A pressão é cada vez maior nos hospitais.

A Alemanha já começou a transferir pacientes das regiões mais afetadas, especialmente no leste do país - mais relutante à vacinação -, para outras em que a situação ainda está sob controle.

A onda de casos é atribuída particularmente à taxa de vacinação abaixo do esperado entre a população da Alemanha, um pouco inferior a 67%.

A vacinação não é obrigatória no país, inclusive para profissionais de saúde.

O ministro da Saúde, Jens Spahn, chamou recentemente a nova onda de contágios de "pandemia dos não vacinados".

Angela Merkel afirmou na quarta-feira que o aumento de casos desde outubro no país é "dramático".

"A pandemia se propaga novamente de forma acelerada", lamentou o porta-voz da chefe de Governo, antes de pedir às autoridades regionais, que têm competência na gestão da saúde, que adotem novas medidas para conter a propagação.

Vários estados particularmente afetados, como Saxônia, Baviera ou recentemente Berlim, adotaram novas restrições para as pessoas não vacinadas.

Na capital, as pessoas que não foram vacinadas não terão acesso a restaurantes sem áreas abertas, bares, academias ou salões de beleza, mesmo com teste negativo para Covid.

Quase 4,9 milhões de pessoas foram infectadas pela Covid-19 na Alemanha desde o início da pandemia e mais de 97.000 faleceram vítimas da doença. O país tem mais de 83 milhões de habitantes.
TAGS: vacina | pandemia | covid-19 |
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Manhã na Clube: entrevistas com Teresa Leitão (PT/PE), Almir Mattias e Renata Berenguer
Laboratório anuncia teste para diferenciar o coronavírus da gripe A e B
Manhã na Clube: entrevistas com Alberto Feitosa (PSC), Márcia Horowitz e Andreia Rodrigues
Justiça por Beatriz: pais organizam peregrinação de 720 km para cobrar solução de assassinato
Grupo Diario de Pernambuco