Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Mundo

ACOLHIMENTO

ONU quer que União Europeia acolha 42 mil refugiados afegãos nos próximos 5 anos

Por: AFP

Publicado em: 07/10/2021 14:27

 (Foto: Bulent Kilic/AFP)
Foto: Bulent Kilic/AFP
O Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (Acnur) solicitou aos países da União Europeia (UE) que recebam 42.500 refugiados afegãos nos próximos cinco anos, anunciou nesta quinta-feira (7) a comissária europeia de Assuntos Internos, a sueca Ylva Johansson. 

Johansson falou em um "fórum de alto nível sobre a proteção dos cidadãos afegãos em perigo", que reúne de maneira virtual a maioria dos Estados-membros da UE, o Acnur e a Organização Internacional para as Migrações (OIM), após a tomada do poder no país asiático pelos talibãs. 

O alto-comissário das Nações Unidas para os Refugiados, o italiano Filippo Grandi, "considerou que, nos cinco próximos anos, cerca de 85.000 afegãos terão que ser reinstalados" a partir dos países vizinhos do Afeganistão, onde estão refugiados, para outros países, assinalou Johansson em uma coletiva de imprensa. 

"E propõe que a União Europeia se encarregue da metade" desses refugiados, acrescentou a comissária europeia. Os países da UE, por sua vez, não anunciaram compromissos durante o fórum.  

"Penso que é [uma meta] realizável", opinou Johansson, ao acrescentar que "alguns Estados-membros não podem tomar essa decisão agora, pois estão em plena formação de governo", que é o caso da Alemanha. 

Cerca de 22 mil afegãos já foram retirados do país e recebidos em 24 Estados-membros da UE, ressaltou a comissária europeia de Assuntos Internos.
TAGS: refugiados | europa | onu |
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Destaque do Náutico, meia Jean Carlos completa 100 jogos com a camisa alvirrubra
Baixas na equipe de Guedes
Trump anuncia planos para lançar nova rede social
Manhã na Clube: entrevistas com Teresa Leitão (PT), Fernandes Arteiro e José Teles
Grupo Diario de Pernambuco