Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Mundo

PROTESTO

Imigrantes em situação irregular protestam contra 'promessas vazias' de Biden

Publicado em: 30/04/2021 19:58

 (Foto: Victoria Razo/AFP)
Foto: Victoria Razo/AFP
"Documentos sim, migalhas não", foi o lema repetido nesta sexta-feira (30) por duas centenas de migrantes vindos de todos os cantos dos Estados Unidos para um protesto em frente à Casa Branca, convocado por várias organizações de imigrantes em situação irregular, na qual condenaram as "promessas vazias" do presidente Joe Biden.

Os manifestantes pediram "ações" à nova administração para impulsionar no Congresso uma reforma migratória que está estagnada no Senado.

"Nada mudou", lamentou em declarações à AFP William Martínez, um ativista da organização National TPS Alliance, que representa migrantes que têm um estatuto de proteção temporária, uma precária figura legal para países em guerra ou vítimas de catástrofes que os protege da deportação e lhes permite trabalhar.

O governo de Donald Trump (2017-2021) tentou acabar com este programa.

Gema Lowe, 49 anos, vem de um país latino-americano que prefere não revelar por precaução. Ela dirigiu por 13 horas do estado de Michigan, no norte do país, para protestar em frente à Casa Branca.

"Precisamos erguer nossas vozes. Estou cansada. Estou há 30 anos neste país e não tenho nenhuma documentação. Agora me arrisco a ser detida, mas assim posso dizer alto e claro que merecemos dignidade, respeito e uma proteção permanente", afirmou.

Para Gema, os Estados Unidos aproveitam a mão de obra dos imigrantes, mas lhes nega dignidade. "Já me cansei de sentir medo, não tenho mais medo", disse, em frente à grade instalada no Parque La Fayette, em frente à Casa Branca.

"Não está usando seu capital político" 
Biden - que tenta marcar diferença em relação à dura política migratória adotada por seu antecessor - apoia uma ampla reforma impulsionada pelos democratas no Congresso para dar um caminho à cidadania para os 11 milhões de imigrantes sem documentos que, estima-se, vivam no país.

A Câmara de Representantes aprovou em março duas leis migratórias para os chamados "sonhadores", jovens que chegaram ilegalmente aos Estados Unidos ainda menores, os beneficiários do Estatuto de Proteção Temporária (TPS) e para trabalhadores agrícolas.

Mas estes projetos têm escassas possibilidades de sobreviver ao Senado, onde republicanos e democratas têm 50 assentos cada, com vantagem para o governo do voto de minerva da vice-presidente Kamala Harris. No entanto, um projeto com menos de 60 votos favoráveis pode ser bloqueado por uma maioria legislativa.

"Nós acreditamos que ele não está usando seu capital político", avaliou Martínez, nascido há 29 anos em El Salvador e que há 20 mora nos Estados Unidos com este precário estatuto de proteção.

Em seu primeiro discurso ao Congresso, na quarta-feira, para marcar seus primeiros cem dias de governo, Biden pediu aos congressistas para dar proteção este ano aos "sonhadores". Também pediu para que se avance nas reformas para regularizar migrantes com TPS e a trabalhadores agrícolas que "põem a comida na mesa".  

"Deveríamos agir, discutamos, mas ajamos", afirmou o presidente no plenário.

Mas muitos migrantes que participaram do protesto vestiam camisetas com o lema "100 dias de promessas vazias". 

Biden defendeu, em sua mensagem solene, "terminar esta esgotadora guerra sobre a imigração". 

"Os políticos falaram sobre reforma migratória e não fizemos nada. Agora é hora de consertá-lo", afirmou o presidente, cuja escassa maioria nas duas câmaras lhe obriga a ter o apoio de legisladores republicanos para tramitar muitas iniciativas, enquanto sua ambiciosa agenda econômica para superar a crise provocada pela pandemia consome muitos esforços.

"Queremos que cumpra" 
Camila Quintera, de 55 anos, viajou por nove horas de carro de Grand Rapids, no Michigan, a Washington para pedir a Biden que "cumpra sua palavra".

"Queremos que ele cumpra (a palavra) conosco", disse à AFP, admitindo que já teve esperanças frustradas com outros presidentes, como o democrata Barack Obama, mas mesmo assim não perde a fé.

Ivana Castillo, de 53 anos, fez greve de fome com ativistas de todos os Estados Unidos para exigir que Biden cumpra suas promessas de campanha.

"Não recebemos nada, o Congresso fez seu trabalho. O Senado não fez nada, o presidente não fez nada, nem a vice-presidente Kamala Harris", destacou.

Sobre o discurso de Biden, Castillo pensa que foi um eufemismo e considera que o presidente devia ter falado sobre os imigrantes sem documentos, que durante a pandemia demonstraram ser trabalhadores essenciais.

"Trabalharam muito intensamente, muitos deles morreram e não foram reconhecidos. Estamos exigindo o sonho americano para todos, essa residência permanente", concluiu. 
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
De 1 a 5: dicas para destravar sua criatividade e ampliar a percepção
Manhã na Clube com Rhaldney Santos - 10/05
Gil do Vigor é recebido com festa da população e honraria em Paulista
Imunização para gestantes começa a ser liberada, mas ainda gera dúvidas
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco