Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Mundo

EUA

Comitê trabalha para combater 'desinformação' de Trump sobre a pandemia

Por: AFP

Publicado em: 04/05/2020 16:15

 (Foto: MANDEL NGAN / AFP)
Foto: MANDEL NGAN / AFP
Um comitê de ação política trabalha para identificar declarações falsas ou enganosas do presidente americano, Donald Trump, sobre a pandemia de COVID-19.  A campanha "Defeat Disinfo" ("Vencer a desinformação") começou na semana passada e conta com a tecnologia das mídias sociais. 

Um "conjunto sofisticado de ferramentas permite identificar informações erradas assim que começam a viralizar na internet", de acordo com um comunicado de criadores da campanha. A tecnologia também oferece uma "contranarrativa real" sobre a COVID-19 com respostas, "tuíte a tuíte", para limitar o impacto de informações imprecisas. 

Curtis Hougland, presidente do comitê e chefe de uma empresa que trabalha para combater  propagandas da Rússia e de extremistas do Estado Islâmico, disse que a inteligência artificial desempenha um importante papel nesses esforços.

A tecnologia "utiliza técnicas como processamento de linguagem natural e algoritmos para determinar as emoções, temas e mensagens que motivam discussões previsíveis", disse Hougland. 

O especialista conta que a tecnologia "foi projetada e testada na propaganda de linha de frente do EI" e atualizada para a mais recente iniciativa. 

O comitê não está alinhado a nenhum candidato, mas diz que Trump, que busca a reeleição nas presidenciais de novembro "nega os fatos sobre as respostas de seu governo ao coronavírus" e acrescenta: "nós o responsabilizamos por isso". "O presidente Trump é o maior disseminador de desinformação da América", disse Hougland. "As pessoas estão morrendo como resultado de sua agenda política". 

A iniciativa foi lançada com mensagens que alertam para o perigo dos comentários de Trump e citou como exemplo sua sugestão de que uma injeção de desinfetante poderia ajudar a combater o coronavírus.

A campanha não usará contas automatizadas para divulgar suas mensagens. Hougland disse que está construindo uma rede de 3,4 milhões de "criadores de conteúdo credenciados" e pessoas de prestígio, frequentemente chamadas de "influenciadores sociais". 

Hougland disse que a iniciativa pretende se autofinanciar, principalmente com pequenas doações, sem oferecer mais detalhes.
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Um ato por justiça e solidariedade
Resumo da semana: criança morre ao cair de prédio e reabertura pós-quarentena
05/06: Manhã na Clube com Rhaldney Santos
Covid-19 põe indígenas amazônicos em grande risco
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco