Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Mundo

REUNIÃO

Crises na América do Sul devem ficar fora da cúpula do Brics

Publicado em: 13/11/2019 10:15 | Atualizado em: 13/11/2019 10:20

 (Divulgação/Itamaraty)
Divulgação/Itamaraty
A discordância entre o Brasil e os demais países do Brics sobre as crises na Bolívia e na Venezuela deve impedir um posicionamento comum sobre os conflitos políticos durante a reunião da 11ª cúpula dos países emergentes, cujos líderes se reúnem nesta quarta-feira, (13), e quinta-feira (14), em Brasília. Os casos devem ficar restritos aos encontros bilaterais. Os presidentes da China, Xi Jinping; da Rússia, Vladimir Putin; da África do Sul, Cyril Ramaphosa; e o premiê da Índia, Narendra Modi, desembarcam no Brasil com o continente sul-americano em convulsão social.

O Brasil é o único do Brics a trabalhar contra Nicolás Maduro e a reconhecer Juan Guaidó como o presidente legítimo da Venezuela. Também foi o único país a interpretar como processo democrático a queda de Evo Morales na Bolívia. "O governo brasileiro rejeita inteiramente a tese de que estaria havendo um 'golpe'", disse na terça-feira, 12, o Itamaraty, em nota.

A posição diplomática brasileira se choca com as recentes declarações de Rússia e China - Índia e África do Sul não se pronunciaram. Nos últimos dois anos, Xi Jinping e Putin assinaram novos acordos estratégicos com Evo para construção de uma usina nuclear nos Andes, com dinheiro russo, e venda aos chineses de quinoa, café e até carne boliviana.

Os russos trataram a derrubada de Evo como um "golpe de Estado bem orquestrado", destacaram a "violência da oposição" e, em recado ao Brasil, pediram uma abordagem responsável dos países influentes, incluindo os vizinhos. Assessores do Kremlin querem tratar do caso em agenda bilateral com o presidente Jair Bolsonaro, paralela ao encontro do Brics. Em tom mais ameno, os chineses evitaram tomar lado e pediram aos envolvidos na disputa uma "solução pacífica nos limites constitucionais" que "restaure a estabilidade social".

Fontes da diplomacia brasileira envolvidas nos preparativos afirmam que os conflitos não devem surgir nas sessões da cúpula - são dois encontros conjuntos dos cinco chefes de Estado e de governo, na qual cada um faz um discurso aos demais. Até a tarde de ontem, quando as conversas de três dias se encaminhavam para o fim, não havia menção a esses países. O mais provável é que a instabilidade política regional também escape à Declaração de Brasília, o documento oficial do Brics, negociado com as delegações. É comum que conflitos regionais constem no texto, mas, para isso, deve haver convergência de posições entre os cinco líderes, o que inexiste no caso da Bolívia e da Venezuela.

Interesses
As diferenças políticas levaram o governo Jair Bolsonaro a organizar uma cúpula enxuta, fechada à participação de países latino-americanos como convidados e voltada à cooperação pragmática, em áreas como economia digital, saúde, ciência e combate à corrupção. Há, porém, uma demanda de países como China e Rússia para fortalecer a integração política e a confiança mútua no bloco.

Isso pode levar os conflitos boliviano e venezuelano a serem tratados isoladamente, em reuniões bilaterais que os líderes costumam promover à margem do Brics. A Rússia já anunciou a intenção de conversar sobre o caso com Bolsonaro, em reunião no Palácio do Planalto. E Bolsonaro se comprometeu a tentar pedir apoio para Guaidó em todas as oportunidades de contato.

As mudanças políticas e tensões sociais intensificaram-se nas últimas semanas: protestos de rua derrubaram o governo Evo na Bolívia e emparedaram os presidentes Sebastián Piñera, no Chile, e Lenín Moreno, no Equador.

Houve ainda reviravolta eleitoral na Argentina, com a eleição do kirchnerista Alberto Fernández, o abandono do acordo de paz pela guerrilha na Colômbia de Iván Duque, a ameaça de impeachment de Mario Abdo Benítez, no Paraguai, e o fechamento do Congresso por Martín Vizcarra, no Peru.

Além disso, na semana da cúpula, a crise mais grave do continente, na Venezuela, deve ter novos capítulos, com o oposicionista Juan Guaidó convocando levantes populares contra Nicolás Maduro para o sábado, com intenção de tirar o chavista do poder com apoio das Forças Armadas e polícias, inspirado na agitação que levou à renúncia de Evo.

O cenário poderia compelir o Brics a abordar a realidade continental na Declaração de Brasília - o documento, tradicionalmente, dedica alguns parágrafos a externar posições sobre conflitos ao redor do mundo e exortar os envolvidos a uma saída pacífica e negociada, em nome da "paz e da estabilidade". Mas interesses políticos e econômicos conflitantes dificilmente permitirão uma manifestação mais firme e tendem a impedir até menção aos casos boliviano, venezuelano e chileno.
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Seminário discute novo marco legal do saneamento básico
Notícias do dia: Enem só em 2021, Bom Jesus entre as ruas mais belas e gays podem doar sangue
Moro: Lula e Bolsonaro são extremos a serem evitados
08/07 Manhã na Clube com Rhaldney Santos
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco