Medida Trump: China está movendo tropas para fronteira com Hong Kong

Por: AFP - Agence France-Presse

Publicado em: 13/08/2019 19:30 Atualizado em:

Foto: Manan Vatsyayana/AFP
 (Foto: Manan Vatsyayana/AFP
)
Foto: Manan Vatsyayana/AFP
A Inteligência dos Estados Unidos alertou que a China está transferindo tropas para a fronteira com Hong Kong, em meio a intensos protestos contra o governo nesse centro financeiro semi-autônomo - informou o presidente Donald Trump, nesta terça-feira (13).

"Nossa Inteligência nos informou que o governo chinês está transferindo tropas para a fronteira com Hong Kong. Todos devem permanecer calmos e a salvo!", tuitou Trump.

Mais cedo, o governo chinês e usuários nas redes sociais publicaram vídeos das forças de segurança se reunindo ao longo da fronteira.

Os jornais "Global Times" e "People's Daily" divulgaram um vídeo de cerca de um minuto, compilando imagens de blindados com pessoal armado seguindo para Shenzhen, no limite com Hong Kong.

O vídeo mostra pelo menos duas dúzias de blindados que aparentemente circulam por Shenzhen, assim como outros veículos de transporte de tropas, deixando a província de Fujian, a 600 quilômetros de Honk Kong. 

Nas redes sociais, o editor-chefe do "Global Times", Hu Xijin, disse que a presença militar é um sinal de que, se a situação em Hong Kong não melhorar, a China intervirá.

Em declarações a jornalistas em Morristown, Nova Jersey, nesta terça, Trump classificou a situação em Hong Kong como "muito difícil", "complicada".

"Espero que se resolva pacificamente. Espero que ninguém saia ferido. Espero que ninguém seja assassinado", afirmou.

Ontem, Washington já havia pedido a "todas as partes" que evitem a violência.

A ex-colônia britânica atravessa sua crise política mais grave desde que a China assumiu o controle em 1997.

Milhões de pessoas saíram às ruas no início de junho para rejeitar um projeto de lei que autorizava extradições para a China. A lista de demandas se ampliou e passou a incluir o pedido da garantia das liberdades e a não ingerência de Pequim.


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.