Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Economia

CONJUNTURA

Após nova alta na Selic, BC diz que "ciclo de aperto" deve continuar

Publicado em: 16/06/2022 08:06 | Atualizado em: 16/06/2022 08:10

 (Foto:  Marcello Casal Jr/ Agência Brasil )
Foto: Marcello Casal Jr/ Agência Brasil
O Comitê de Política Monetária (Copom), do Banco Central, cumpriu o que havia sinalizado em maio e decidiu, ontem, elevar a taxa básica da economia (Selic) pela 11ª vez consecutiva e ainda deixou a porta aberta para novas altas. O reajuste de 0,50 ponto percentual fez os juros básicos subirem para 13,25% ao ano, o maior patamar desde janeiro de 2017.


Com a nova taxa Selic, o Brasil se mantém na liderança do ranking mundial de juros reais (descontada a inflação) em uma listagem de 40 países elaborada pela Infinity Asset Management, que considera a previsão dos índices de preços para os próximos 12 meses. O país aparece no primeiro lugar da lista, com taxa real de 8,10% ao ano, à frente de vizinhos, como a Argentina, que tem juro real negativo de -14,16%.

A decisão do Copom foi unânime e em linha com as expectativas do mercado. A definição vei horas depois de o Federal Reserve (Fed, o banco central dos EUA) elevar a taxa básica do país em 0,75 ponto percentual — a maior variação desde 1994 —, acelerando o ritmo de ajuste monetário na maior economia do mundo.


Apesar de ter iniciado os aumentos dos juros em março de 2021, o Copom não deu sinais de quando vai interromper a trajetória de alta da taxa básica brasileira. Em comunicado, informou que fará um ajuste "de igual ou menor magnitude" na próxima reunião, em agosto, deixando a porta aberta para novos reajustes. "O Copom considera que, diante de suas projeções e do risco de desancoragem das expectativas para prazos mais longos, é apropriado que o ciclo de aperto monetário continue avançando significativamente em território ainda mais contracionista", informou o texto.

Diante do cenário incerto para a inflação no país e no mundo, analistas não descartam que a Selic possa chegar a 14% até o fim do ano. Eles lembram que as previsões para a inflação de 2023 não param de subir e alertam que o BC não conseguirá cumprir a meta por três anos seguidos, apesar das recentes medidas de redução de impostos. Em 2021, o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) subiu 10,06%, quase o dobro do teto da meta, de 5,25%. Neste ano, o teto é de 5%, e, em 2023, passa para 4,75%.


Previsões
 
Arley Júnior, estrategista de Investimentos do Santander Brasil, lembrou que a inflação está muito disseminada, e, portanto, a tendência é de que os juros continuem subindo, podendo ficar acima de 14% até o fim do ano. "O índice de difusão do IPCA é muito alto, de 72% em maio. Não são apenas os preços dos combustíveis que estão aumentando, mas quase todos os itens pesquisados, e será difícil para o Banco Central conseguir trazer a inflação para a meta antes de 2024", avaliou. Pelas projeções do banco, o IPCA deverá encerrar o ano em 9,5%, mas uma taxa em torno de 10% não está descartada.

No comunicado, o Copom antecipou as previsões do boletim Focus — que não é divulgado desde o início de maio por conta da greve dos servidores da autarquia. As expectativas do mercado para a inflação em 2022, 2023 e 2024 encontram-se em 8,5%, 4,7% e 3,25%, respectivamente. Já no cenário de projeções do Copom, situam-se em 8,8%, para 2022, em 4%, para 2023, e em 2,7%, para 2024, mas "não incorporam o impacto das medidas tributárias sobre preços de combustíveis, energia elétrica e telecomunicações que estão em tramitação", diz a nota.

Para Roberto Padovani, economista-chefe do Banco BV, o ponto mais importante do comunicado foi a sinalização de que o ciclo de aperto monetário não se encerrou. Contudo, ele fez uma ressalva sobre as projeções do BC para a inflação. "As estimativas do BC estão muito otimistas, em parte, porque não incorporam a volta dos impostos sobre os combustíveis, e isso quer dizer que há mais espaço para altas do que o sinalizado", disse.


"O cenário que o BC coloca agora, de preocupação com a inflação, vai se manter, porque ainda tem pressão nos preços do petróleo, no câmbio, neste ano e no ano que vem. As expectativas para a inflação de 2023 estão subindo. Elas deram um salto nos últimos dias e devemos rever nossas projeções também", disse Sergio Vale, economista-chefe da MB Associados. Ele prevê que a Selic chegará a 13,75% em agosto, mas admite que há grandes chances de os juros ficarem acima de 14% neste ano.
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
WIDGET PACK - Sistema de comentários
Nova presidente da Caixa toma posse e anuncia primeiras medidas
Manhã na Clube: entrevista com o ex-ministro e pré-candidato ao senado, Gilson Machado
Suspeito de ataque a tiros com seis mortos é detido nos EUA
Manhã na Clube: entrevistas com o pastor Wellington Carneiro e Alexandre Castelano
Grupo Diario de Pernambuco