Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Economia

NO AGRESTE

Em Petrolina, chuvas já causaram prejuízos de mais de R$ 60 milhões para produtores de frutas

Publicado em: 14/01/2022 16:13

Cerca de 30 mil toneladas de uva e manga já foram perdidas (Foto: Divulgação)
Cerca de 30 mil toneladas de uva e manga já foram perdidas (Foto: Divulgação)
As fortes chuvas que caem no município de Petrolina, no Agreste de Pernambuco, desde o início de dezembro do ano passado já causaram um prejuízo de mais de R$ 60 milhões para cerca de dois 
mil produtores de frutas da cidade. De acordo com o Sindicato dos Produtores Rurais de Petrolina (SPR), cerca de 30 mil toneladas de uva e manga já foram perdidas.

A situação, foi agravada com as fortes chuvas registradas no Natal, que atingiram até 300 mm em algumas localidades da zona rural do município, encharcando os pomares e aumentando a proliferação de doenças. No caso da uva, fruta que é mais sensível às condições climáticas, o excesso de água gera quebra de produção, atraso de colheitas e, consequentemente, falta de produto no mercado. Segundo estimativas do SPR, os prejuízos com a uva já passam de R$ 33 milhões com a perda de 20 mil toneladas da fruta. 

Já na cultura da manga, os produtores contabilizam cerca de R$ 27 milhões de prejuízo com a perda de 10 mil toneladas.

Por causa das condições climáticas desfavoráveis, algumas fazendas produtoras emitiram comunicados ao mercado, alertando que as precipitações podem perdurar por alguns meses, tendo em vista que a previsão climática atual aponta que os próximos quatro meses serão de chuvas acima da média, prejudicando as colheitas e floradas futuras.

Em algumas fazendas, com o objetivo de minimizar as consequências, estão sendo realizados investimentos em proteção e readequação da capacidade de produção. Alem disso, os volumes de entrega estão sendo readequados de acordo com a capacidade de produção e colheita das unidades produtivas.

De acordo com o gerente executivo do Sindicato dos Produtores Rurais de Petrolina (SPR), Flávio Diniz, "além dos prejuízos com as chuvas os produtores enfrentam ainda o aumento de despesas efetivas com insumos agrícolas, acondicionamento, comercialização, transporte, aduanas e folha de pessoal, comprometendo a produção do primeiro semestre desse ano e influenciando negativamente os resultados do setor agrícola do Vale do São Francisco em 2022", alertou.

O Vale do São Francisco, mais especificamente Petrolina (PE), Juazeiro e Casa Nova (BA), é o terceiro maior produtor de frutas do mundo com uma produção de 43,8 milhões de toneladas por ano. As culturas de manga e uva são responsáveis respectivamente por 96% e 99,9% das exportações de frutas brasileiras.

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Objeto na Via Láctea como nada que os astrônomos já viram
Manhã na Clube: entrevistas com Dorgivânia Arraes (CRC-PE) e Fabi Soares, consultora de RH
Manhã na Clube: entrevistas com Augusto Coutinho (Solidariedade) e o psicólogo Carol Costa Júnior
Morre Olavo de Carvalho, considerado guru do bolsonarismo
Grupo Diario de Pernambuco