Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Economia

DINHEIRO

Crédito mais caro ao consumidor inibe crescimento do Brasil em 2022

Publicado em: 05/01/2022 07:40

 (Foto: Reprodução)
Foto: Reprodução
O consumidor que estiver pensando em contrair empréstimos deve fazer bem as contas dos gastos no orçamento, porque o crédito vai ficar cada vez mais caro, alertam especialistas. Devido à inflação mais forte, a taxa básica de juros (Selic), que começou 2021 em 2% ao ano, encerrou dezembro em 9,25%, e deverá continuar subindo e ficar acima de dois dígitos pela primeira vez desde maio de 2017. Logo, comprar a prazo, desde uma simples roupa até a casa própria terá um custo maior ao longo deste novo ano.

O mercado de crédito encerrou 2021 com crescimento de 13,9%, pelas estimativas mais recentes da Federação Brasileira de Bancos (Febraban). Em relação a 2022, a entidade previa expansão de 7,3%, mas reduziu a projeção para 6,7% em levantamento divulgado nesta semana. De acordo com a Febraban, a nova previsão está em "linha com a redução, pelo Banco Central, das estimativas de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) em 2022, de 2,1% para 1%, "e também decorre da elevada base de comparação forte e surpreendente expansão em 2021".

Especialistas avaliam que, com a alta da Selic, essa alavanca do consumo e do investimento produtivo não deverá ajudar muito no crescimento da economia. Ao justificar a previsão de queda de 0,5% no PIB em 2021, Luka Barbosa, economista sênior do Itaú Unibanco, conta que um dos principais motivos da revisão é justamente a alta dos juros, que deverá limitar a oferta de crédito para pessoas físicas e jurídicas. O banco prevê a Selic encerrando este ano em 11,75%, passando para 8%, em 2023, ano em que o país deverá crescer 1%.

 (Arte: CB)
Arte: CB

Carlos Thadeu de Freitas Gomes, economista-chefe da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) reconhece que o consumo neste ano pode ser negativo, devido às restrições de acesso ao mercado de crédito para os brasileiros, que estão cada vez mais endividados. Em novembro, o nível de endividamento das famílias brasileiras medido pela entidade chegou a 75,6%, considerando aquelas que ganham até 10 salários mínimos mensais. Ele lembra ainda que, como os juros reais básicos (descontada a inflação) devem ficar de 6% ao ano, "o crescimento do PIB em 2022 será desafiador".

BC está sozinho

O economista Mailson da Nóbrega, ex-ministro da Fazenda do governo José Sarney e sócio da Tendências Consultoria, destaca que, devido à falta de compromisso do governo com a questão fiscal após a aprovação da PEC dos Precatórios — que instituiu o calote de dívidas judiciais e mudou a regra do teto de gastos —, o Banco Central ficou sozinho na batalha de combate à inflação. Por isso, precisará manter a Selic em dois dígitos ao longo de 2022.

"O Brasil está condenado a vários anos de baixo crescimento e, agora, sem uma âncora fiscal, a taxa de juro real é mais alta, de 6%, o dobro da taxa de juros estrutural necessária, de 3%. E temos um governo que tributa as transações financeiras e aumenta o juro para o tomador final", lamenta Nóbrega.

Frederico Gomes, professor de economia do Ibmec-DF, reforça que os juros dos financiamentos, inclusive o da casa própria, devem ficar mais caros neste ano, contribuindo para limitar o crescimento econômico. "O aumento da taxa básica encarece também o custo de captação dos bancos e isso tende a ser repassado para a taxa cobrada do tomador final", explica. "Já estamos observando uma desaceleração na concessão de crédito e isso deve se acentuar, mesmo porque o Banco Central já deu indicações firmes de que o ciclo de alta de juros ainda não terminou", afirma.

Conforme as estimativas do mercado publicadas no boletim Focus, do Banco Central, a taxa Selic deverá encerrar este ano em 11,50%. Logo, os juros dos empréstimos ficarão bem acima desse patamar. A taxa média passou de 23,1%, para 24,3% ao ano entre outubro e novembro. Contudo, o custo daqueles empréstimos mais fáceis — e mais caros — é bem maior. A taxa medida do cheque especial, por exemplo, passou de 128,2% para 129,6% ao ano. No acumulado de janeiro a novembro de 2021, o custo dessa modalidade subiu 14 pontos percentuais. A taxa média anual do financiamento imobiliário, por sua vez, subiu de 8,2% para 8,7% ao ano, entre outubro e novembro, registrando alta de 2,1 pontos em 2021.

O professor do Ibmec recomenda fugir de empréstimos com taxas muito elevadas, como as do rotativo do cartão de crédito, que passaram de 214,1% ao ano, em outubro, para 230,4% em novembro. "Isso vai deixar a prestação mais alta e comprometer a renda do consumidor, e a pessoa pode chegar ao ponto de não conseguir arcar com os compromissos. Num momento de taxas elevadas, o ideal é postergar a compra a prazo, deixando para adquirir o que é de fato essencial", afirma Frederico Gomes.
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Manhã na Clube: entrevistas com Leonardo Péricles e Dr. Heitor Albanez
Fortuna dos 10 mais ricos dobrou com a Covid
Supervacinada: Rafaela inaugura a fase da imunização de crianças contra a Covid no Recife
ONG acusa Bolsonaro de ameaçar a democracia no Brasil
Grupo Diario de Pernambuco