Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Economia

QUEDA

Brasileiros reduzem gastos no exterior com dólar alto e pandemia

Publicado em: 27/05/2021 12:27

Pandemia reduz em 63% os gastos feitos por brasileiros no exterior nos quatro primeiros meses deste ano, informa BC (Reprodução/Pixabay)
Pandemia reduz em 63% os gastos feitos por brasileiros no exterior nos quatro primeiros meses deste ano, informa BC (Reprodução/Pixabay)
Com o dólar valorizado e vários países desenvolvidos exigindo comprovante de vacinação para permitir o acesso de estrangeiros, os brasileiros reduziram de forma drástica as viagens ao exterior. De janeiro a abril, as despesas de brasileiros em outros países somaram US$ 1,16 bilhão, 63% a menos do que no mesmo período de 2020, conforme dados do Banco Central. No ano passado, os gastos de brasileiros com viagens internacionais já haviam caído ao menor nível desde 2005, totalizando US$ 5,3 bilhões.

Os gastos de estrangeiros no Brasil também encolheram no quadrimestre, passando de US$ 1,6 bilhão, no ano passado, para US$ 857 milhões neste ano, representando queda de 48%.

De acordo com o chefe do Departamento de Estatísticas do Banco Central, Fernando Rocha, a pandemia é o motivo predominante para a forte queda nos gastos com viagens. Ele destacou que, em abril, foram registradas despesas de US$ 301 milhões, com crescimento de 48% na comparação de abril de 2020, mês que foi mais afetado no ano passado pela covid-19. Os gastos de estrangeiros no país passaram de US$ 113 milhões para US$ 164 milhões na mesma base de comparação.

Os dados preliminares de maio mostram que os brasileiros gastaram US$ 223 milhões no exterior enquanto os estrangeiros deixaram US$ 134 milhões no país, resultando em um saldo negativo de US$ 89 milhões.

Os dados do BC mostram ainda que o saldo da conta de transações correntes entre o país e o resto do mundo teve superavit de US$ 5,7 bilhões em abril passado. Foi o melhor saldo da série histórica do BC, iniciada em 1995. Em 12 meses, o país acumula deficit de US,4 bilhões nessa conta, mas o saldo negativo é 30% inferior ao registrado até março. A redução é resultado da melhora da balança comercial, impulsionada pelo dólar valorizado, pela alta dos preços das commodities, e pela diminuição da atividade econômica, que provocou forte queda das importações.

Cai investimento estrangeiro
O volume de investimentos diretos no país (IDP) foi de US$ 41,2 bilhões no período de 12 meses até abril passado. De acordo com o Banco Central, houve uma redução de 37,3% em relação ao valor contabilizado no mesmo intervalo encerrado em abril de 2020. Em abril deste ano, o montante alcançou US$ 3,5 bilhões, um aumento de 118,7% na comparação com o mesmo mês de 2020, período mais crítico da pandemia de covid-19. Apesar da alta, o volume ficou 28,6% abaixo da previsão do BC, que era de US$ 4,9 bilhões. “Isso ocorreu, em grande parte, devido à redução das operações intercompanhias”, explicou Fernando Rocha, chefe do Departamento de Estatísticas da autoridade monetária.
TAGS: dólar | gastos | brasil |
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Protesto em Brasília acaba com conflito entre indígenas e policiais
Manhã na Clube: entrevistas com Carlos Veras, Sérvio Fidney e Marcel Costi
Vacina contra a Covid-19 criada em Cuba tem eficácia de 92%
Pontos fundamentais para fazer uma transição de carreira
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco