Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Economia

BB

CGU anula demissão de auditores do Banco do Brasil

Publicado em: 14/01/2021 13:35

 (Foto: Fernando Bizerra/Agencia Senado
)
Foto: Fernando Bizerra/Agencia Senado
A Controladoria-Geral da União (CGU) anulou o processo que levou à demissão de dois auditores do Banco do Brasil (BB) no ano passado, ainda na gestão de Rubem Novaes. A decisão atende a um recurso dos auditores, que classificaram a demissão como uma ingerência política que tentava travar a fiscalização de assuntos relativos ao banco.

A decisão da CGU foi publicada nessa quarta-feira (13), mesmo dia em que o presidente Jair Bolsonaro ameaçou demitir o sucessor de Rubem Novaes, André Brandão, por conta da repercussão negativa do plano de reestruturação do BB, que prevê o desligamento de 5 mil funcionários e o fechamento de 361 agências.

A CGU explicou que essa "decisão decorre da identificação de falha processual na condução da Ação Disciplinar" que levou à demissão dos auditores. A medida, assinada pelo controlador-geral da União, Gilberto Waller Júnior, ainda determina a instauração de um "procedimento correcional acusatório, a ser conduzido pela Corregedoria-Geral da União, para apuração dos fatos ali tratados".

A demissão dos auditores do Banco do Brasil também é alvo de investigação no Tribunal de Contas da União (TCU), que analisa a questão desde outubro do ano passado a pedido do Ministério Público. A representação investiga se a gestão do BB interferiu no processo de auditoria interna do banco para evitar a apuração de assuntos sensíveis à instituição.

Polêmicas
A gestão de Rubem Novaes foi marcada por polêmicas. O TCU investiga, por exemplo, se houve interferência política nas nomeações do fundo de pensão do BB, a Previ. A Corte de Contas também chegou a suspender, no ano passado, as propagandas do BB na internet, para evitar o repasse de verba pública para sites de fake news. Novaes ainda ficou conhecido pela vontade de privatizar o BB e pelas críticas ao clima político de Brasília. Por isso, pediu demissão no ano passado, dando lugar a André Brandão.

De perfil técnico, Brandão vem gerindo o BB de forma discreta nos últimos quatro meses e privilegia a nomeação de profissionais de carreira no alto escalão do banco. Porém, entrou na berlinda nesta semana depois da repercussão negativa do plano de reestruturação do BB. O Banco do Brasil foi procurado, mas ainda não se posicionou sobre a decisão da CGU e sobre o processo de readmissão dos auditores em questão.
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Manhã na Clube com Rhaldney Santos - 21/01
Variante britânica do coronavírus continua a se espalhar pelo mundo
Enem para todos com o professor Fernandinho Beltrão - Genética do sangue
Manhã na Clube com Rhaldney Santos - 20/01
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco