Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Economia

ECONOMIA

Tesouro aumenta projeção e dívida federal pode chegar a R$ 4,9 trilhões em 2020

Por: FolhaPress

Publicado em: 28/08/2020 15:21

 (FOTO: REPRODUÇÃO/PIXABAY)
FOTO: REPRODUÇÃO/PIXABAY
Diante da piora das contas públicas com a pandemia do coronavírus, o Tesouro Nacional aumentou a projeção para o tamanho da dívida pública federal em 2020. A estimativa era de até R$ 4,75 trilhões no encerramento do ano, e agora o nível pode chegar a R$ 4,9 trilhões.

Os dados estão em atualização feita nesta sexta-feira (28) no PAF (Plano Anual de Financiamento), documento que serve como referência ao mercado ao mostrar diretrizes, estratégias e metas para o endividamento público no ano.

Segundo o Tesouro, o inevitável aumento da necessidade de financiamento do governo federal representa o principal impacto para a dívida pública em um ano marcado pela pandemia da Covid-19 e seus efeitos na economia.

Na visão dos técnicos, a estratégia de financiamento teve que se ajustar para comportar espaço para maiores emissões de papeis, levando ao aumento da previsão de estoque.

Além de um maior volume total, as projeções sobre a composição da dívida também tiveram piora. A previsão para o percentual de vencimento em curto prazo (12 meses) aumentou de um intervalo de 20% a 23% para 24% a 28%. Já o prazo médio de pagamento encurtou de 3,9 a 4,1 anos para 2,5 a 2,8 anos.

O Tesouro também deve usar mais títulos prefixados de curta duração, como forma de cobrir parte das despesas públicas extraordinárias em resposta à pandemia, e reduzindo a participação dos títulos remunerados por juros flutuantes.

Segundo o Tesouro, as mudanças estão "em linha com o contexto de preferência por liquidez e aversão ao risco por parte dos investidores, característica do período de crise pelo qual passam a economia brasileira e a mundial".
O súbito aumento do déficit nas contas públicas neste ano, aliado à aversão de risco por parte dos investidores, fez as condições de mercado piorarem de forma significativa para o Tesouro.

Para não pagar uma dívidas mais cara e com menor prazo, o Tesouro passou a usar sua reserva em caixa (o chamado colchão da dívida), que antes da pandemia poderia enfrentar seis meses de vencimentos.

Isso significa que num contexto extremo em que ninguém mais queira comprar títulos do Tesouro, ainda haveria dinheiro par apagar seis meses de obrigações.
Mas a estratégia fez a reserva diminuir e agora o Tesouro comunica que visa manter o colchão em pelo menos três meses de vencimento, acima do limite prudencial.

A situação do Tesouro é de restrição severa de liquidez, como admitido pelos técnicos recentemente. Alivia em parte o cenário a decisão nesta quinta (27) do CMN (Conselho Monetário Nacional), que autorizou a transferência de R$ 325 bilhões do lucro com operações cambiais do Banco Central ao Tesouro. Os recursos vão para o colchão da dívida.
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Brasil é vítima de desinformação sobre meio ambiente, diz Bolsonaro
Rhaldney Santos entrevista o empreendedor digital Harry Thorpe, criador da plataforma Miauu
Detran-PE realiza ações na Semana Nacional do Trânsito
De 1 a 5: Cuidados na saúde ocular das crianças
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco