Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Economia

SISTEMA

'Eu não fiz nada, só não atrapalhei', diz Ilan Goldfajn sobre agenda BC+

Por: FolhaPress

Publicado em: 29/06/2020 08:46

 (Foto: Reprodução)
Foto: Reprodução
O presidente do conselho do Credit Suisse e ex-presidente do Banco Central, Ilan Goldfajn, afirmou neste domingo (28) que ao implementar a agenda BC+, em sua gestão na autoridade monetária, apenas impediu que a regulamentação do sistema financeiro atrapalhasse a entrada de novas empresas no setor.

O executivo participou de uma transmissão ao vivo do Modalmais para comentar sobre o novo acordo entre o Banco Modal e o Credit Suisse, assinado na semana passada, e que permitirá que o banco suíço compre 35% da participação do capital do Modalmais.

"A agenda BC foi para trazer mais competição, eficiência, redução de custo e dar força para fintechs e para a digitalização. Muita gente me diz que foi muito bom eu ter feito a agenda BC , mas eu não fiz nada, eu só não atrapalhei. E muitas vezes, não atrapalhar é a melhor coisa", disse o executivo em transmissão ao vivo do Modalmais.

A agenda BC foi a precursora da agenda BC#, do atual presidente da autoridade monetária, Roberto Campos Neto. Foi também responsável por trazer diretrizes de redução de custo de crédito e para o aprimoramento de questões estruturais do sistema financeiro.

Segundo Goldfajn, a pandemia de coronavírus acabou acelerando as tendências de redução de juros e de digitalização que o mercado financeiro já registrava nos últimos anos.

"O Credit Suisse olha no Brasil esse mundo de novas plataformas, digitalização e democratização de mercado. O primeiro passo é explorar as sinergias de como o Credit poderá se beneficiar dessa plataforma, e de como poderemos beneficiar o Modalmais", afirmou.

Para o co-presidente do Modalmais, Cristiano Ayres, apesar de a parceria ainda depender da aprovação do Banco Central e do Cade (Conselho Administrativo de Defesa Econômica), o momento é muito importante para ambas as instituições.

"Temos um roadmap [metas de desenvolvimento] muito grande, de trazer novos produtos e serviços no ar. E esse acordo vem para juntar a tradição do Credit Suisse a tudo isso", disse.

Sobre o mercado e a economia, Goldfajn -que também comentou sobre as perspectivas de câmbio, inflação e Bolsa de Valores- afirmou que ainda existe muita expectativa sobre a melhora da economia real.

"O que os bancos centrais do mundo fizeram [ao injetar recursos em suas respectivas economias] foi na esperança de trazer certa recuperação. O problema é que a economia ainda está muito atrelada às questões de saúde. Precisamos esperar e ver", disse.

Na última quinta-feira (25) o CMN (Conselho Monetário Nacional) também divulgou que estabeleceu uma meta de 3,25% para 2023, a menor em 20 anos. As metas para 2021 e 2022 seguem em 3,75% e 3,50%, respectivamente. Para 2020, o objetivo de inflação estabelecido pelo CMN é de 4%.

"O risco que a gente sofre não é o da inflação ficar na meta, mas o de termos percalços no meio do caminho", afirmou Goldfajn.

"Todos sabemos que no final deste ano, o Brasil vai acabar com uma dívida muito acima da dívida de outros países emergentes. Como existe a necessidade de gastar, o gasto social e da pandemia tem que ser feito com muita responsabilidade e precisa ser temporário. Talvez, esse seja o percalço", disse.
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Itália proíbe entrada de viajantes brasileiros
10/07 Manhã na Clube com Rhaldney Santos
Burro invasor de lives faz santuário de animais arrecadar dinheiro
Seminário discute novo marco legal do saneamento básico
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco