Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Economia

EXCLUSIVIDADE

Bolsonaro assina MP para dar fim ao monopólio da Casa da Moeda

Publicado em: 05/11/2019 21:38

 (Foto: Alan Santos/PR)
Foto: Alan Santos/PR
O presidente Jair Bolsonaro assinou nesta terça-feira (5) uma medida provisória que pretende quebrar o monopólio da Casa da Moeda do Brasil. Na proposta, o Poder Executivo propõe fim da exclusividade da instituição para as atividades de fabricação de papel moeda, de moeda metálica, de cadernetas de passaporte e de impressão de selos postais e fiscais federais.

Além disso, a MP visa permitir que outras empresas, devidamente cadastradas na Secretaria Especial da Receita Federal do Brasil, possam prestar os serviços de integração, instalação e manutenção preventiva e corretiva de equipamentos envolvidos na produção de cigarros e demais produtos que que demandem um maior controle de produção.

Segundo o texto da medida provisória, para evitar a interrupção de todos os serviços, a Casa da Moeda estará habilitada provisoriamente até o fim de 2021, período considerado adequado pelo governo federal para que seja realizada a habilitação de outras empresas para prestar as atividades de controle respectivas. 
“Mesmo durante o período em que a Casa da Moeda estiver automaticamente habilitada, outras empresas poderão ser habilitadas e passarão a concorrer com a Casa da Moeda”, explicou o Poder Executivo.

Também está previsto, conforme a MP, um período de adaptação para a retirada da exclusividade na prestação dos serviços de fabricação de selos postais e de cadernetas de passaportes até o fim de 2023. Isso, de acordo com o governo federal, foi decidido “com o objetivo de reduzir os riscos de quebra de continuidade na prestação dos serviços, assim como a possibilidade de exigência dos tributos no momento da ocorrência do fato gerador, nas hipóteses definidas no texto da MP”.

Segundo o ministro da Secretaria Geral da Presidência da República, Jorge Oliveira, alguns dos objetivos da medida provisória são “reduzir custos, dar maior competitividade, reduzir o tamanho do estado brasileiro e facilitar a vida de quem quer empreender no país”. 

“Quando permitimos que outras empresas, devidamente cadastradas na Receita Federal, possam fazer o mesmo serviço, sendo ele fiscalizado e controlado, há um aumento da oferta. O fim do monopólio da Casa da Moeda materializa aquilo que o presidente Jair Bolsonaro se comprometeu ainda durante a campanha eleitoral, de deixar o estado mais enxuto, gerando competitividade ao mercado”, comentou Oliveira.

O governo ainda não tem uma estimativa de qual deve ser o impacto fiscal caso a MP seja aprovada pelo Congresso Nacional e passe a valor após sanção presidencial. De acordo com Oliveira, “o cálculo vai depender de resposta do mercado”. “É importante frisar que o Estado sai da parte operacional e, naquilo que é possível delegar, ele apenas fiscaliza o cumprimento e deixa que o particular possa explorar o serviço”, disse o ministro. 

Oliveira ainda detalhou que existe a possibilidade de que empresas estrangeiras sejam contratadas para prestar o serviço. “Todo regime de contratação vai respeitar o regime da concorrência, sendo remunerada por meio de preço público. Então, as normas que regem esse tipo de contrato vão ser adequadas assim. Não há muita inovação nesse tocante”, explicou.

A partir da medida, o governo espera que seja reduzido o preço para se emitir um passaporte no país, visto que um dos serviços prestados exclusivamente pela Casa da Moeda é a fabricação de cadernetas de passaporte. Atualmente, o valor da taxa de emissão de um passaporte comum é de R$ 257,25, bem como do passaporte para estrangeiro ou do laissez-passer.

“Não há dúvidas de que vai cair. Isso em algum momento vai gerar economia, não tenho como precisar numericamente agora. Tendo ampliação da oferta de quem pode fornecer o serviço, esse serviço tende a ter preço menor. Essa é a expectativa”, destacou Oliveira.

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Músico vence limitações do distanciamento social oferecendo shows particulares por encomenda
Destaques da semana: caso Miguel, Decotelli fora do MEC e retorno do Campeonato Pernambucano vetado
Inscrições para o Vestibular 2020.2 da Unicap vão até 15 de julho
Um mês sem Miguel : tudo que fazia era por ele, diz Mirtes
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco