Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Economia

reforma da previdência

Bezerra considera que votação em 1º turno no plenário será finalizada ainda hoje

Publicado em: 01/10/2019 11:29

Valter Campanato/Agência Brasil
O líder do governo no Senado, Fernando Bezerra (MDB-PE), disse considerar que a votação da reforma da Previdência em primeiro turno no plenário será finalizada ainda nesta terça-feira, 1º de outubro, mesmo que a deliberação vá até tarde da noite. A previsão, segundo ele, é que o plenário comece a analisar a proposta entre 15 horas e 16 horas. Antes, o novo parecer do relator, Tasso Jereissati (PSDB-CE), precisa ser aprovado pela Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), que está reunida neste momento.

"Tivemos ampla discussão, líderes colocaram discussão sobre pacto federativo. Ao final todos concordaram com importância de votação na CCJ e ainda hoje em 1º turno", disse Bezerra. "Acho que a gente vota tudo hoje (no plenário)", respondeu.

A presidente da CCJ, Simone Tebet, afirmou antes de abrir a sessão que a oposição terá seis destaques à Previdência, e que governo levará seus destaques ao plenário. Segundo Bezerra, seriam entre seis e oito destaques analisados, nominalmente, além da leitura do voto em separado do senador Paulo Paim (PT) e a votação em bloco de todas as emendas que tem parecer contrário. O número de destaques em plenário, segundo Bezerra, será debatido após votação na CCJ.

Abono
Ao ser questionado sobre o destaque que trata do abono salarial, que teve votação apertada quando a primeira versão do relatório foi aprovada em setembro, Jereissati afirmou é "sempre existente a possibilidade de haver dificuldade", mas disse acreditar que, diante da chance de o texto ter de voltar a Câmara caso tenha alteração, isso será superado.

Perguntado ainda sobre o segundo turno da votação, Tasso lembrou da previsão do dia 10 de outubro, mas ressaltou que a data depende do presidente do Senado.

Segundo o senador Rogério Carvalho, do PT, entre os destaque que serão analisados estão o do abono salarial e sobre aposentadoria por invalidez.

Retirada de emenda
Fernando Bezerra disse que o senador Rodrigo Pacheco (DEM-MG) retirou a emenda à proposta da reforma da Previdência que beneficia servidores federais, estaduais e municipais ao possibilitar que eles se aposentem com benefícios maiores.

A mudança foi incluída há duas semanas no novo parecer de Tasso Jereissati, em análise na CCJ nesta terça. Segundo a assessoria de Pacheco, a ideia, no entanto, é retomar o assunto no segundo turno da votação da Previdência no plenário do Senado.

"Ele (Pacheco) retirou a emenda. Retirou a emenda dele. Portanto o assunto está superado pela retirada do próprio autor", disse Bezerra, sem dar maiores explicações.

Como mostrou o Broadcast (sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado), a emenda abriria uma janela para que servidores que ingressaram antes de 2003 se aposentassem com 100% de bonificações e outras vantagens incorporadas à remuneração, mesmo que só tivessem recebido o benefício no último ano de carreira.

Na prática, um servidor que concluísse, em seu último ano antes da inatividade, um doutorado que desse direito a um adicional de 100% sobre o salário teria o valor dobrado incorporado à aposentadoria a ser recebida até o fim de sua vida - mesmo que ele só tenha contribuído sobre os 100% por um período equivalente a 12 meses.

No INSS, o mesmo relatório prevê que o valor da aposentadoria será calculado com base na média de todos os salários sobre os quais o trabalhador contribuiu para a Previdência - inclusive os menores, do início da carreira.
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Jogos Inesquecíveis: Um mundão para chamar de meu
De 1 a 5: Alterações do olfato, perda auditiva e Covid-19
01/06: Manhã na Clube com Rhaldney Santos
Arlison Vilas Bôas, um artista inventor e os desafios da pandemia
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco