Processo Consulta pública abre espaço para opiniões sobre economia digital

Por: Agência Brasil

Publicado em: 15/07/2019 21:47 Atualizado em:

Foto: Antônio Cruz/Agência Brasil (Foto: Antônio Cruz/Agência Brasil)
Foto: Antônio Cruz/Agência Brasil
A Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI) abriu uma consulta pública para ouvir empresários, trabalhadores, pesquisadores e interessados sobre que políticas são necessárias para estimular a digitalização da economia brasileira. Este processo inclui o emprego de tecnologias da informação e da comunicação nas atividades econômicas, como na automação de processos ou vendas utilizando comércio eletrônico, entre outros.

As contribuições podem ser apresentadas até o dia 24 deste mês. Um formulário foi disponibilizado para que os interessados respondam a perguntas de modo a oferecer respostas a questões propostas pela ABDI. O questionário pode ser acessado na página especial criada para a consulta.

O órgão vem se reunindo com atores diversos para identificar os obstáculos à digitalização da economia brasileira. A partir desse diálogo, realizado em reuniões e eventos, a sondagem foi estruturada abrangendo uma série de temas, como: infraestrutura, capital humano, privacidade e segurança, tributação, regulação e tecnologia.

Em cada um desses tópicos os participantes são instados a indicar que tipo de políticas públicas são mais adequadas. Que tipo de leis, normas ou iniciativas de entes públicos podem facilitar a adoção de tecnologias digitais? Deve haver alguma tributação, e, caso sim, em que tipo de bem ou serviço? Temas como esses perpassam o debate sobre o desafio desse processo.

Segundo o coordenador de economia digital da ABDI, Rodrigo Rodrigues, o processo de digitalização envolve três movimentos. O primeiro está relacionado à infraestrutura (sejam as redes por cabo, rádio ou satélite). O segundo diz respeito à conectividade, necessária para tecnologias do futuro, como drones, carros autônomos e outros. O terceiro envolve a criação de novos modelos de negócios tanto na indústria quanto nos serviços.

Para Rodrigues, um dos desafios é qualificar a experiência das pessoas, ainda muito centrada no uso de redes sociais ou do consumo de conteúdo audiovisual. “A gente sabe hoje que embora as pessoas sejam muito conectadas existe um problema vinculado a capital humano porque estamos centrados em Whatsapp e no Youtube. Precisamos melhorar as habilidades, como programação, criativdade e pensamento analítico, entre outras”, destaca.


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.