Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Notícia de Economia

DP Empresas

Pitú mira novos mercados no exterior

Com aumento de 39% das exportações em 2018, cachaçaria pernambucana agora quer aumentar a presença nos Estados Unidos

Publicado em: 06/01/2019 10:00 | Atualizado em: 03/01/2019 18:32

Pelo menos 70% do total exportado pela empresa tem como destino a Alemanha. Foto: Peu Ricardo/DP

Alavancar as vendas fora do país conquistando, inclusive, novos mercados. Esta é uma das metas da Pitú para 2019. No ano que acaba de chegar ao fim, as exportações da cachaçaria pernambucana cresceram 39% em volume e 55% em faturamento. A marca se tornou líder na exportação de cachaça, dominando o mercado europeu, sendo a Alemanha o país de maior consumo. Pelo menos 70% do total exportado pela empresa tem como destino a Alemanha. Para o ano que se inicia a aposta será outra: o foco estará nos Estados Unidos.

"Na Alemanha fizemos uma estratégia de colocar promotores no destino e divulgar melhor o nosso produto. Será essa a estratégia que levaremos para os Estados Unidos. Já estamos com promotores no local testando o mercado, mas não investimos pesado neste ano. Em outubro eu estive lá pessoalmente e traçamos um plano conjunto de investimento e ações que iremos realizar para esta praça", conta a sócia-diretora de Exportações e Relações Institucionais da Pitú, Maria das Vitórias Cavalcanti.

De acordo com Maria das Vitórias, estratégia também será aplicada na Índia. "A diferença é que, diferente dos EUA, na Índia, nossa base ainda é pequena. Porém, é um mercado muito potencial e que estamos trabalhando já há dois anos, conhecendo e estudando o mercado. É um país onde se bebe muito. O desafio é fazer com que eles bebem Pitú pura, que é como eles tomam as bebidas alcoólicas por lá", detalha. No ranking dos maiores destinos de exportação estão a Alemanha, México e as mais de 40 lojas duty-free espalhadas pelo mundo.

Por ano, a Pitú comercializa no exterior 1,7 milhão de litros, dos quais 1,5 milhão é destinado para o continente Europeu, que desde 1970 engarrafa o produto em Wilthen (Alemanha) e distribui a bebida para todo o continente. Além do velho continente, a indústria também está presente em outros países (Estados Unidos, Canadá, México, Chile, China, Japão, Índia, Israel, Emirados Árabes, Tailândia, Austrália, África do Sul, Angola, Guiana Francesa, Peru, Argentina) e em mais de 40 lojas duty-free espalhadas por todo o mundo.

Os resultados colocam a companhia entre as 20 marcas de bebidas destiladas mais produzidas do mundo, comercializando, em média, 95 milhões de litros de cachaça por ano, dos quais 2% representam as vendas no exterior. "O resultado positivo das exportações em 2018 também foi consequência do câmbio. Nos favoreceu. Somos um produto com uma tendência positiva e de valor agregado", diz Maria das Vitórias.

Nacional

No Brasil, a Pitú é a aguardente mais consumida nas regiões Norte e Nordeste do Brasil, a segunda no mercado nacional. Desde o ano passado, a empresa iniciou um projeto de expansão de mercado no Sudeste do país, que tem um grande potencial de consumo mas ainda um mercado pouco explorado pela marca. Em média, a participação do Sudeste é de 3%. Entre os principais desafios para crescimento no Sudeste está o transporte e distribuição do produto, cuja produção acontece em Vitória de Santo Antão.

Maria das Vitórias afirma que estratégia é colocar promotores no destino e divulgar melhor o produto no local. Foto: Pitú/Divulgação

Oito décadas de investimentos

Por ano, a Pitú comercializa, em média 98 milhões de litros de cachaça. Há oito décadas em funcionamento no município de Vitória de Santo Antão, a empresa continua em busca de novos mercados e de melhoramentos no processo produtivo. No ano passado, a empresa anunciou o investimento de R$ 15 milhões na instalação de três tanques de aço inox com capacidade para armazenar 21 milhões de litros de cachaça. Além disso, R$ 1 milhão foi destinado a equalização de tratamento de efluentes em novos equipamentos de maior eficiência e com uma melhor reciclagem de resíduos líquidos e sólidos.

"Antes a fábrica era no centro da cidade e como o produto foi ganhando mercado, a unidade ficou pequena e nos mudamos para o terreno onde atuamos atualmente. O mercado e a produção cresceram e hoje somos líder nas regiões Norte e Nordeste e segundo lugar no país", detalha Alexandre Ferrer, que assumiu a presidência da empresa em 2017.

O grupo, inclusive, está na terceira geração de gestores. A empresa começou a operação em 1938 por Joel Cândido Carneiro, Severino Ferrer de Moraes e José Ferrer de Moraes. Inicialmente, a empresa trabalhava com a fabricação de vinagre, bebidas à base de maracujá e jenipapo, além de engarrafar aguardente de cana fornecida por engenhos locais.

Atualmente, a indústria, que ficou conhecida com o slogan "mania de brasileiro" gera mais de 500 empregos, entre contratados e terceirizados, com uma produção em dois turnos, cinco dias por semana.
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Moradores cobram inauguração da Upinha Rio da Prata
A importância de um atendimento farmacêutico correto
Primeira Pessoa com Padre Reginaldo Veloso
Sobre Vidas: Casinha - Associação dos Amigos da Vila do Papelão
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco