Pernambuco.com
Pernambuco.com
Notícia de Divirta-se

MÚSICA

Recifense Semper Volt lança clipe interplenetário e existencialista

Publicado em: 22/01/2021 18:15 | Atualizado em: 22/01/2021 18:19

 (Foto: Semper Volt/Divulgação)
Foto: Semper Volt/Divulgação

O cantor e músico recifense radicado em São Paulo Semper Volt lançou, na última quinta-feira (21), o clipe de Arrepiou. A faixa faz parte do álbum Cristal lançado durante a quarentena e agora ganha uma versão audiovisual, que apresenta elementos estéticos que complementam a narrativa das letras propostas por Semper Volt e as batidas eletrônicas com harmonias regionais se aproximando de um pop dos anos 80. O clipe conduz o espectador a embarcar em uma viagem interplanetária para se enxergar por outra dimensão e se questionar acerca da sua existência.

"Nesse momento tão ruim da nossa história é difícil achar uma maneira de falar de otimismo, de superação pessoal e positividade, que são os temas da letra. Só mesmo se a gente pegar um foguete e sair da Terra, para presenciar a formação de vida em outro planeta e, quem sabe, até encontrar artefatos de uma possível inteligência extra-terrestre", conceitua João Tenório, nome por trás da identidade  artística Semper Volt, que também é cineasta e atua como diretor.

O clipe foi todo gravado em casa e contou com a colaboração de Cris Motta, com a obra “caixa”, do artista plástico Leandro Lima, que entrou como uma espécie de artefato encontrado em outro planeta. A participação de Vinicius Prado Martins na edição foi fundamental para que a narrativa e o ritmo se encontrassem. "O Vini é um montador brilhante e nossa colaboração já vem de muitos anos. Conversamos sobre Meliés e 2001 como referência, e partimos para uma abordagem de efeitos que poderiam ser feitos mesmo com recursos só de película", finalizou. 

Filho do baterista Carlos Balla (Djavan, Maria Bethânia, Gal Costa), João Tenório teve contato com a música desde cedo. Estudou piano aos 8 anos de idade, depois bateria, violão, harmonia e composição. Semper Volt começou a tomar forma depois de 2013 quando resolveu experimentar a combinação: violão e voz com o eletrônico. Voltando de certa forma as suas raízes de criação, mas sem deixar de lado a música eletrônica,  os dois EPs Flamboyant (2017) e Leve (2018), e o álbum Cristal (2020).

Assista ao clipe:

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Combate à obesidade ganha ainda mais importância no contexto da pandemia
Resumo da semana: explosão de casos de Covid-19 e desdém do presidente
Manhã na Clube com Rhaldney Santos - 05/03
Na pior fase da pandemia, cidades fazem panelaço contra Bolsonaro
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco