Pernambuco.com
Pernambuco.com
Notícia de Divirta-se

Música

Estreia da turnê de Sandy e Junior no Recife é reencontro de uma geração

Publicado em: 12/07/2019 09:01 | Atualizado em: 12/07/2019 12:12

Foto: César Fonseca/Divulgação
Sandy e Junior, maior fenômeno da música pop adolescente no Brasil, retorna aos palcos nesta sexta-feira (12), pela primeira vez em 12 anos. Os fãs pernambucanos serão privilegiados ao ver a estreia nacional da aguardada turnê Nossa História, no Classic Hall, em Olinda, a partir das 21h30, antes de passar por outras 11 capitais do país. O anúncio oficial em março causou furor nas redes sociais, despertando um frisson nostálgico que está sempre na espreita quando se trata de cultura pop. Entre os episódios, acampamentos em longas filas e noites em claro em frente ao computador para adquirir ingressos, esgotados em poucas horas.

O repertório com hits de três décadas está sendo guardado sob sigilo. Fotos do palco já foram publicadas, revelando uma grande estrutura com telas de LED. A direção é de Raoni Carneiro, conhecido por comandar eventos como Show da virada, da Globo. “As pessoas vão ver músicas de antigamente, mas com um espetáculo atual. Como seriam aquelas músicas, aqueles shows, em 2019?”, diz Douglas Aguillar, integrante da equipe. Ele interpretou o personagem Mau na série Sandy e Junior (1999-2002).

“Tantos anos depois, já mais maduros tecnicamente e pessoalmente, eles querem entregar um show muito bonito. Durante os ensaios, percebemos que é como se a dupla nunca tivesse se separado. Eles têm carisma, são seres humanos legais. Transbordam isso na equipe e nas pessoas que trabalham com eles. Acaba virando uma grande família.”

Sem representar uma volta definitiva, a turnê marca os 30 anos de carreira da dupla, contados a partir da aparição no programa Som Brasil, da Globo, em 1989. Sandy e Junior, então com 6 e 5 anos respectivamente, cantaram o sertanejo infantil Maria Chiquinha.



O disco de estreia só veio três anos depois, com Aniversário do tatu (1991). Os irmãos literalmente cresceram diante dos olhos do grande público, figuras constantes nas lentes televisivas. Em tempos sem redes sociais, suas imagens foram cuidadosamente mediadas por grandes conglomerados do entretenimento.

Com a chegada da adolescência, deixaram o viés sertanejo de lado e passaram a funcionar como “esponjas” da música pop teen global. Quando novas tendências na indústria musical surgiam, logo Sandy e Junior apareciam com algo semelhante. Beijo é bom, eternizada pelo filme O noviço rebelde (1997), era uma reformulação de Wannabe, das Spice Girls. Inesquecível, uma das faixas que provam o talento vocal de Sandy, é uma regravação da italiana Laura Pausini.



A dupla aderiu aos microfones auriculares para conseguir realizar coreografias elaboradas, sob os moldes do pop noventista nos EUA - encabeçado na época por Backstreet Boys e N’Sync. Em 2001, quando se apresentaram na noite do pop adolescente do Rock in Rio, Sandy foi descrita pela imprensa internacional como a “Britney Spears brasileira”. Alguns dos álbuns mais marcantes vieram nessa fase: As quatro estações (1999) e Sandy & Junior (2001).

Sandy e Junior no Rock in Rio de 2001. Foto: Reprodução da Internet

Chegaram a tentar uma carreira internacional em 2002, mas sem qualquer êxito nos Estados Unidos, mercado que era o foco do projeto. No geral, venderam 17 milhões de discos, com 8 turnês que contabilizam público estimado de 32 milhões de pessoas.

O último show na capital pernambucana foi em 24 de agosto de 2007, na turnê acústica de despedida. Sandy seguiu uma carreira solo com projetos intimistas. Junior foi baterista da banda Nove Mil Anjos, produtor musical nos projetos eletrônicos Dexterz e Animal. Agora, a família se reúne temporariamente para as alegrias dos fãs. “É um grande reencontro, porque é a minha história, a sua história e tem muita verdade nisso. Por isso está dando tão certo”, finaliza Douglas.



EXPOSIÇÃO
Recife também é a primeira capital a receber a mostra itinerante Sandy & Júnior Experience, montada no Piso L3 do Shopping RioMar, no Pina. O público pode ter acesso gratuito a um espaço de 75 m² repleto de memórias sobre a história da dupla: arquivos, discos, fotos, figurinos, prêmios. Todos os objetos são originais, de acordo com a organização da mostra. A visitação acontece durante o horário de funcionamento do shopping: de segunda a sábado, das 9h às 22h, e aos domingos e feriados, das 12h às 21h.
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Primeira Pessoa com Sam Nóbrega
O esforço de Guilherme e a rede de solidariedade que surgiu
Sobre Vidas: Natanael Ramos e Gil Sormany
Salão de Tóquio: Mitsubishi 2020
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco