Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Ciência e Saúde

Mais de 20% da população mundial tem alguma doença que pode agravar a Covid-19, diz estudo

Publicado em: 16/06/2020 19:29

 (Foto: Marvin Recinos/AFP)
Foto: Marvin Recinos/AFP
Um estudo publicado nesta segunda-feira (15) na revista científica britânica Lancet estima que 22% da população mundial – 1,7 bilhão de pessoas – tem alguma doença que pode agravar o quadro clínico em caso de contágio pelo novo coronavírus.

O estudo combinou informações de faixa etária, sexo e local de origem de cidadãos de 188 países. Entre os resultados da simulação está a possibilidade de que cerca de 349 milhões de pessoas precisem ser internadas caso contraiam a doença.

O estudo aponta que 23% do total (1,7 bilhão) teria pelo menos duas doenças agravantes. Além disso, presume, com base em dados de pessoas infectadas pelo mundo, que homens têm 6% de chance de serem internados, o dobro em comparação com as mulheres (3%).

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), um dos principais fatores de risco para agravamento de quadro clínico é a idade. Quanto mais velho o paciente, maior o risco. O estudo também aponta que 5% das pessoas com 20 anos ou menos têm alguma comorbidade. Entre os idosos com 70 anos ou mais, a chance de ter uma condição agravante sobe para 66%.

Quando ao risco de internação, os idosos, novamente, são os mais propensos, com 70% de chance de hospitalização entre os que têm mais de 70 anos.

O estudo compilou 19 publicações de diretrizes da OMS e mais de 60 estudos publicados na China, na Europa e nos EUA para mapear quais doenças mais levaram à hospitalização e utilizá-las como base para a simulação.

As doenças foram divididas em 11 categorias e em ordem de prevalência: doença cardiovascular, incluindo hipertensão; doença renal crônica, incluindo a causada por hipertensão; doença respiratória crônica; doença hepática crônica; diabetes; cânceres com imunossupressão direta; cânceres sem imunossupressão direta, mas com possível imunossupressão causada pelo tratamento; Aids; tuberculose (com exceção de infecções latentes); desordens neurológicas crônicas; e distúrbios das células falciformes.

A simulação não leva em conta, no entanto, questões como raça/etnia, situação socioeconômica e obesidade.
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Itália proíbe entrada de viajantes brasileiros
10/07 Manhã na Clube com Rhaldney Santos
Burro invasor de lives faz santuário de animais arrecadar dinheiro
Seminário discute novo marco legal do saneamento básico
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco