Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Notícia de Ciência e Saúde
PESQUISA Computador vai recomendar melhor tratamento para pacientes com câncer Trata-se de um supercomputador que recomenda ao médico, em segundos, as melhores opções terapêuticas para cada caso, com base na análise de um banco de dados com milhões de evidências científicas

Por: AE

Publicado em: 09/06/2017 09:07 Atualizado em:

A partir desta semana, os médicos do Hospital do Câncer Mãe de Deus, em Porto Alegre, contarão com mais um "especialista" para auxiliá-los na definição do melhor tratamento para cada paciente. O novo integrante da equipe não é oncologista nem sequer formado em Medicina. Trata-se de um supercomputador que recomenda ao médico, em segundos, as melhores opções terapêuticas para cada caso, com base na análise de um banco de dados com milhões de evidências científicas.

O hospital gaúcho será o primeiro da América do Sul a utilizar a tecnologia Watson, da IBM, na área de oncologia. Por meio do sistema, o médico insere os dados clínicos do paciente, como sexo, idade, tipo de tumor, estágio da doença e resultados de exames, e recebe a lista com os tratamentos mais recomendados para cada caso.

"A plataforma vai trazer tanto evidências científicas já certificadas por uma curadoria de especialistas internacionais quanto evidências de estudos publicados há poucos dias, que o médico pode nem ter tido acesso ainda. O principal objetivo do Watson não é substituir qualquer profissional, mas, sim, empoderar o oncologista para tomar a melhor decisão com base em todas as evidências científicas existentes", explica Eduardo Cipriani, da IBM Watson Health no Brasil.

Ele afirma que o sistema se faz necessário diante do grande volume de dados médicos que surgem a cada dia. "Até 2020, toda informação de Medicina dobrará a cada 73 dias e a capacidade de se manter atualizado está se tornando desumana."

Para dar sua "opinião" ao médico, o Watson consulta, em segundos, 15 milhões de conteúdos científicos, incluindo 200 textos médicos e 300 artigos. O produto já é utilizado em Estados Unidos, Europa e países asiáticos como India e China.

Para o médico Carlos Barrios, diretor do Hospital Mãe de Deus, a plataforma vai ajudar a definir um tratamento personalizado para cada doente. "A diversidade de novos tratamentos e medicamentos é imensa. Dois pacientes podem ter o mesmo tipo de câncer, mas isso não quer dizer que o tratamento será igual. A opção escolhida pode impactar imensamente no resultado", diz. A tecnologia Watson já pode ser usada para sete tipos de câncer e deverá englobar até 18 tipos até o final do ano, segundo a IBM.

'Ferramenta extra'

Médica do Centro de Oncologia do Hospital Alemão Oswaldo Cruz, Renata D' Alpino diz que o programa é uma ferramenta extra dada aos médicos que já seguem a tendência dos tratamentos individualizados. "Os oncologistas já tentam hoje considerar as características individuais de cada paciente e da doença pra definir a melhor opção. A plataforma vai ajudar os médicos principalmente nos casos mais conflitantes, quando não há consenso."

Sobre Vidas: Nivia e o empoderamento de mulheres no Coque
DP Auto na Tóquio Motor Show - Tudo sobre a Nissan
Sérum, pele natural, sombras coloridas e blush cremoso
Lula: sou um homem melhor do que aquele que entrou na cadeia

Resistência nordestina em cartaz

Diego Rocha *
Celebrando a resistência da arte nordestina e a arte nordestina de resistir, o 21º Festival Recife do Teatro Nacional está em cartaz na cidade para confirmar a vocação de um povo à resiliência e à criatividade. Até o próximo dia 24, a programação montada com muita assertividade pela Prefeitura do Recife irá apresentar 12 espetáculos em vários teatros da cidade, entre eles seis montagens nacionais jamais vistas na capital do Nordeste.
Mas não está toda no ineditismo a urgência que esses espetáculos carregam. Mas também e principalmente na referência e reverência que muitos fazem à estética e às temáticas fincadas no árido solo fértil do Nordeste. Alguns textos, como o da montagem Ariano %u2013 O Cavaleiro Sertanejo, da companhia carioca Os Ciclomáticos sequer foram produzidos no Nordeste. Mas sabem, bebem e comungam do povo que somos. Foram buscar inspiração em autores ensolarados como Ariano Suassuna e os tantos tipos e símbolos que ele fundou e transportou do imaginário nordestino para o mundo.
Há na programação citações ainda mais explícitas à nossa produção teatral. Parido do punho do próprio Ariano, em carne e pena, o clássico Auto da Compadecida chega ao Festival com sotaque mineiro, numa belíssima montagem do Grupo Maria Cutia, com a direção cênica precisa e sensível de Gabriel Villela, que conseguiu unir a cultura do cangaço pernambucano ao barroco mineiro, sem sair da trilha aberta pelo Movimento Armorial de Ariano.
São montagens que nos representam e, ao mesmo tempo, nos apresentam a nós mesmos, além de nos hastear bandeira a congregar territórios artísticos, afetivos e cívicos, num país assombrado e repartido por um projeto de poder excludente. Em cima e embaixo dos palcos, durante e depois do 21º Festival Recife do Teatro Nacional, que a arte e a força nordestina persistam farol aceso a nos guiar.

* Presidente da Fundação de Cultura Cidade do Recife

Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco