Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Brasil

MEDIDA PROVISÓRIA

Anvisa pede veto a MP por "risco sanitário" no país

Publicado em: 11/02/2021 07:07

 (Foto: Ed Alves/CB/D.A Press)
Foto: Ed Alves/CB/D.A Press
Depois de fazer reiteradas críticas à medida provisória (MP) 1.003/20, aprovada no Senado, na semana passada, o diretor-presidente da Anvisa, Antonio Barra Torres, pediu, ontem, ao presidente Jair Bolsonaro o veto de um dos artigos do texto, que, segundo ele, compromete a função regulatória da agência ao tirar o poder de conceder ou vetar a autorização de uso emergencial de vacinas contra a Covid-19, determinando prazo de cinco dias para o aval. Ao Correio, ele afirmou que a aprovação do trecho traria “risco sanitário”, comprometendo a vida dos brasileiros. A justificativa foi levada ao chefe do executivo, que mostrou uma “sinalização muito positiva em direção a um possível veto”, conforme entendeu Barra Torres.

Bolsonaro tem até 1º de março para avaliar a MP. O ruído gira em torno do artigo 5°, que estabelece que a Anvisa “concederá autorização temporária de uso emergencial para a importação, a distribuição e o uso de qualquer vacina contra a Covid-19” em até cinco dias, desde que pelo menos uma das autoridades sanitárias estrangeiras citadas (de oito países além da União Europeia) tenha aprovado o imunizante e autorizado a utilização, em caráter emergencial ou definitivo.

“Se nós não tivermos mais o poder de analisar, quem vai analisar? Quem colocará sua chancela de responsabilidade pelo produto que vai ser entregue aos senhores, aos seus familiares, aos meus familiares e a mim mesmo. Isso não é razoável”, criticou o presidente da Anvisa, após a reunião com Bolsonaro.

A partir do teor da conversa, Barra Torres saiu confiante de que o trecho não será sancionado. “O senhor presidente reiterou, mais uma vez, aquilo que vem dizendo sempre à imprensa: que o Ministério da Saúde, portanto, o governo, só vai adquirir e incorporar ao PNI (Programa Nacional de Imunização) vacinas analisadas e chanceladas pela Anvisa. Eu entendo essa colocação do presidente, que ele acabou de reiterar para nós, como uma sinalização muito positiva em direção a um possível veto”, avaliou.

Caso Bolsonaro atenda ao pedido, a medida volta para o Congresso, que ainda pode derrubar o veto do presidente. Se o desdobramento dos parlamentares for desfavorável às alegações da Anvisa, Barra Torres prometeu que acionará a Justiça. “Se tudo isso que estou falando não acontecer, nós iremos a todas as instâncias existentes, sejam elas quais forem, no Brasil, fora do Brasil, em qualquer lugar”, prometeu.

Recurso paulista
Em paralelo às gestões da Anvisa para o veto a trechos da MP, o governo do estado de São Paulo ajuizou, ontem, uma ação junto ao Supremo Tribunal Federal (STF) para que o Ministério da Saúde volte a habilitar leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) para pacientes da Covid-19, que deixaram de ser pagos pela pasta em dezembro. Segundo o Executivo paulista, a verba necessária para manter o funcionamento de 3.258 vagas não está sendo repassada pela União.

Segundo o governador João Doria, os 3.258 leitos de UTI estão em funcionamento, mas não são pagos pelo governo federal desde dezembro. Atualmente, apenas 564 leitos de UTI do estado de São Paulo são bancados pela União.

O ministério, por sua vez, reafirmou que “tem dado apoio irrestrito aos estados e aos municípios” com repasse de R$ 41,7 bilhões previstos para assistência às unidades da Federação, no âmbito da pandemia. Segundo a pasta, desse montante, no fim de janeiro, R$ 24 bilhões ainda estavam parados nas contas dos fundos municipais e estaduais de saúde. Por isso, na assembleia junto ao Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass), em 28 de janeiro, permitiu que um percentual maior do recurso fosse empregado na manutenção dos leitos de UTI.

Nas mãos de São Paulo e seus municípios, a pasta afirmou que havia mais de R$ 4,2 bilhões. “Em janeiro de 2021, foram repassados mais R$ 732.897.176,96 ao estado de São Paulo, e R$ 1.273.073.136,56 aos seus municípios. Dessa forma, o governador mente ou tem total desconhecimento do ato”, criticou o ministério, em nota.

“Se nós não tivermos mais o poder de analisar, quem vai analisar? Quem colocará sua chancela de responsabilidade pelo produto que vai ser entregue aos senhores, aos seus familiares, aos meus familiares e a mim mesmo. Isso não é razoável”, declarou o diretor da Anvisa, Antônio Barra Torres.

Variante P.1 pode impedir anticorpos
A variante do coronavírus que se originou em Manaus, nomeada de P.1, pode estar associada a uma dificuldade de desenvolvimento de anticorpos contra a Covid-19. O alerta foi dado, ontem, pelo novo boletim epidemiológico da Organização Mundial de Saúde (OMS). Mas isso não quer dizer que as vacinas ora disponíveis não devem ser aplicadas –– ao contrário, a recomendação é para que sejam in tensamente utilizadas.

“Com base nas evidências que temos agora sobre as variantes preocupantes, estamos confiantes de que nosso portfólio crescente de vacinas Covid-19 continua útil e nos guiará até o fim desta pandemia”, garantiu a diretora da Organização Pan-Americana de Saúde (Opas), Carissa Etienne.

O enfrentamento às novas cepas precisa ser combinado com medidas preventivas para limitar a propagação do vírus, como manter o distanciamento social. “Algumas dessas variantes, como as detectadas pela primeira vez no Brasil e no Reino Unido, podem ser mais facilmente passadas de uma pessoa para outra, acelerando o aumento dos casos de Covid-19”, explicou, acrescentando que “não há motivo para alarme, mas, sim, para atenção”.

Em Manaus, segundo o último boletim epidemiológico da OMS, divulgado na última terça-feira, chama a atenção o rápido aumento da incidência da P.1. Em dezembro de 2020, 52% dos diagnósticos positivos envolviam a nova linhagem, mas o percentual saltou para 85% em janeiro deste ano.

Diante das proporções e análises das amostras, o relatório da OMS aponta que a P.1 “pode potencialmente reduzir a neutralização de anticorpos”, dificultando a resposta imune. Mas ainda não se sabe se a nova cepa aumenta a transmissibilidade ou gravidade da Covid-19.
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Bolsonaro diz não ter briga com a Petrobras
Manhã na Clube com Rhaldney Santos - 24/02
Atividades econômicas proibidas em 63 municípios do Agreste e Sertão
Brasil aprova uso definitivo da vacina da Pfizer, mas imunizante ainda não está disponível
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco