Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Brasil

VENDAS

STF libera venda de refinarias da Petrobras sem aprovação do Congresso

Publicado em: 01/10/2020 21:20 | Atualizado em: 01/10/2020 21:22

 (Foto: Arquivo/Agência Brasil)
Foto: Arquivo/Agência Brasil

Por seis votos a quatro, o Supremo Tribunal Federal (STF) negou, nesta quinta-feira (1º/10), uma reclamação contra a venda de ativos de subsidiárias da Petrobras. O pedido foi protocolado pelas mesas do Congresso Nacional, do Senado e da Câmara dos Deputados. Os órgãos alegavam que a estatal estaria cumprindo uma decisão da Corte, que definiu a necessidade de autorização do Legislativo e processo licitatório para alienação do controle acionário de empresas públicas e sociedades de economia mista.

Eles questionavam se a estatal pretendia alienar seu patrimônio a partir da criação de novas subsidiárias de maneira que fosse possível uma privatização “fatiada” da Petrobras sem o controle do Legislativo. Assim, ao criar subsidiárias a partir do desmembramento da empresa-matriz e em seguida vendê-las, seria uma forma de “burlar” a determinação do STF, que impede o governo de vender uma empresa-matriz sem autorização do Congresso. No pedido, o Legislativo citou a retomada da alienação de ativos das refinarias Presidente Getúlio Vargas (Repar), no Paraná, e de Landulpho Alves (RLAM), na Bahia. Decisão abre espaço para os planos da Petrobras que, além da Repar e RLAM, pretende vender as refinarias Abreu e Lima (RNEST), em Pernambuco, Alberto Pasqualini (Refap), no Rio Grande do Sul, Gabriel Passos (Regap), em Minas Gerais, Isaac Sabbá (Reman), no Amazonas, Lubrificantes e Derivados de Petróleo do Nordeste (Lubnor), no Ceará, e Unidade de Industrialização do Xisto (SIX), no Paraná, totalizando oito das 13 refinarias da estatal - ou seja, mais da metade. A análise foi cautelar — o que significa que a Corte deverá analisar o assunto novamente no futuro. O relator, ministro Edson Fachin, votou pela liminar ao Congresso, suspendendo, assim, a venda de ativos. Ele frisou que é atribuição do Congresso zelar pelos bens da União.

“Se o refino de petróleo é monopólio da União, ainda que possa ser exercido por terceiros, e não necessariamente pela Petrobras, a importância da atividade enseja preocupação constitucional com o devido processo legal na disciplina quanto ao seu regime”, pontuou. Fachin foi acompanhado pelos ministros Rosa Weber, Ricardo Lewandowski e Marco Aurélio Mello.

Em seu voto, Lewandowski afirmou: “Não poderia o estado abrir mão da exploração de determinada atividade econômica sem a necessária participação do seu órgão de representação popular. Porque tal decisão não compete apenas ao chefe do poder Executivo. É uma medida de estado, não de governo”.

Votação

O primeiro voto divergente, do ministro Alexandre de Moraes, foi acompanhado por Luís Roberto Barroso, Cármen Lúcia, Dias Toffoli, Gilmar Mendes e Luiz Fux. Em seu voto, Moraes pontuou que “fraude, desvio de finalidade para perda do controle acionário, não é permitido”. “Mas não é, ao meu ver, o que ocorre na presente hipótese”, disse. Para o ministro, não parece existir perda de controle acionário, tampouco desvio de finalidade ou fraude na criação de subsidiária.

“Entendo que não há comprovação no sentido da alegação de se fatiar a empresa-mãe, permitindo uma oculta ou parcial privatização da Petrobras como um todo, e sem autorização legislativa. Entendo aqui que há um plano negocial”, explicou.

Ao votar em seguida, Barroso afirmou que a venda de subsidiária, como já definido pelo Supremo, não exige autorização legislativa. “Estamos diante da venda de subsidiária. A Petrobras transferiu ativos para subsidiárias que criou e está vendendo essas subsidiárias. Ela não está sendo violada”, afirmou. Para o ministro, não cabe ao STF interferir, quando, segundo ele, a Petrobras continua sendo majoritária nas deliberações da assembleia-geral e não perdeu o poder de escolher os administradores.

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Polícia Federal vai usar drones para fiscalizar irregularidades nas eleições
Rhaldney Santos entrevista Dr. João Gabriel Ribeiro, neurocirurgião
Rhaldney Santos entrevista Armando Sérgio (Avante)
Enem para todos com professor Fernandinho Beltrão #179 - Coração dos vertebrados
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco