Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Brasil

ESTUDO

Brasil registrou um aumento da pobreza entre os anos de 2016 e 2017

Publicado em: 29/09/2020 19:01

 (Foto: Arquivo/Agência Brasil)
Foto: Arquivo/Agência Brasil

Dados do Atlas do Desenvolvimento Humano mostram a evolução brasileira nos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS). Esses objetivos representam o principal plano de ação da Organização das Nações Unidas (ONU) e dos países membros para alinhar estratégias voltadas para o desenvolvimento sustentável em âmbito global. Ao todo o material do Atlas dialoga com 13 dos 17 ODS existentes. 

Em relação ao combate a pobreza em todas as suas formas, em todos os lugares, assunto do qual se trata a ODS 1, o Brasil registrou um aumento nos números ligados a pobreza entre os dados referentes aos anos de 2016 e 2017. Neste período foi registrado aumento no percentual de vulneráveis à pobreza, de 24,47% para 24,98%; de pobres, de 11,15% para 11,65%; e de extremamente pobres, de 5,15% para 5,97%.

A unidade federativa com maior percentual de pessoas extremamente pobres no período analisado foi o Maranhão, com 15,62%. Já a unidade da federação com menor percentual era Santa Catarina, com 1,54%. Do total de brasileiros inseridos no Cadastro único, 66,12% eram beneficiados pelo Bolsa Família em 2017. De acordo com registros administrativos do Ministério da Cidadania (CadÚnico - 2017) a diferença entre os grupos raciais aumentou entre 2014 e 2017. Em 2014 61,05% dos brancos eram beneficiados, enquanto 74,32% era a porcentagem entre negros. Já em 2017, os números registrados eram 55,73% e 70%, respectivamente.

Os dados retirados do Censo 2010 também trazem à tona a desigualdade entre os moradores das zonas rurais em relação às zonas urbanas. Nesse caso, enquanto 6,61% das crianças domiciliadas nas zonas urbanas viviam em situação de pobreza extrema; no meio rural esse percentual chegava a 32,81%.

Outra disparidade que os dados mostram é em relação a pessoas pobres e extremamente pobres quando desagregadas pela cor. Entre os brancos o percentual de pobres era de 6,41%, em 2017, contra 15,8% entre os negros. Analisando os extremamente pobres são 3,37% para os brancos e 8,02 para negros.

O que é?

Confira o que é a extrema pobreza, a pobreza e a vulnerabilidade a pobreza, em valores de agosto de 2010.

Extrema pobreza - Proporção dos indivíduos com renda domiciliar per capita igual ou inferior a R$ 70 mensais.

Pobreza - Proporção dos indivíduos com renda domiciliar per capita igual ou inferior a R$ 140 mensais.

Vulnerabilidade à pobreza - Proporção dos indivíduos com renda domiciliar per capita igual ou inferior a R$ 255 mensais.

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Rhaldney Santos entrevista Dr. João Gabriel Ribeiro, neurocirurgião
Rhaldney Santos entrevista Armando Sérgio (Avante)
Enem para todos com professor Fernandinho Beltrão #179 - Coração dos vertebrados
De 1 a 5 : Cuidados com a luz são essenciais na rotina do trabalho remoto
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco