Remanso 4 Corpo é encontrado em Brumadinho depois de oito meses da tragédia

Por: Estado de Minas

Publicado em: 29/09/2019 16:33 Atualizado em:

Buscas do Corpo de Bombeiros continuam sem parar em Brumadinho. Foto: Gladyston Rodrigues/E.M/D.A Press
Buscas do Corpo de Bombeiros continuam sem parar em Brumadinho. Foto: Gladyston Rodrigues/E.M/D.A Press
A tragédia de Brumadinho completou oito meses em 25 de setembro. Mesmo passando tanto tempo do rompimento da barragem da mina Córrego do Feijão, da Vale, os trabalhos do Corpo de Bombeiros continuam. E vem dando resultados. Na manhã deste domingo, os militares conseguiram encontrar mais um corpo. 

De acordo com o Corpo de Bombeiros, os restos mortais foram encontrados pela equipe em um local chamado de Remanso 4, por volta de 10h15.  A Polícia Civil foi acionada para realizar os trabalhos de perícia para identificar a vítima. Depois, o corpo será levado para o Instituto de Criminalística, em Belo Horizonte, para o término da identificação. 

Desde o rompimento da barragem, em 25 de janeiro, 395 pessoas foram localizadas. Foram confirmadas 248 mortes e 22 pessoas seguem desaparecidas. Como o corpo encontrado neste domingo ainda não foi identificado, o número de vítimas ainda não encontradas pode diminuir. 

Neste domingo, as buscas entraram em seu 248° dia. São 147 mililtares do Corpo de Bombeiros atuando em meio a lama de rejeitos de mineração. Eles contam com a ajuda de dois cães e de máquinas pesadas. As ações acontecem em 22 frentes. 

Encontro depois de quase um mês

O Corpo de Bombeiros encontrou mais um corpo depois de quase um mês. Em 30 de agosto, os militares encontraram os restos morais de João Paulo Ferreira Amorim Valadão, que estava ainda com o crachá. Ele estavam em uma área conhecida como “frente remanso esquerdo 1”. 

Indiciamento

A Polícia Federal (PF) indiciou sete funcionários da Vale e outros seis da Tüv Süd por falsidade ideológica e falsificação de documentos previstos na Lei de Crimes Ambientais, por causa do rompimento da barragem da Mina Córrego do Feijão. 

Como o Estado de Minas mostrou na edição de 21 de setembro,  uma das principais certificadoras do mundo, a Tüv Süd ignorou normas, alterou relatórios e distorceu informações repassadas a órgãos públicos de fiscalização e investigação para abocanhar essa fatia de mercado junto de uma das gigantes da mineração.


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.