Inusitado Quadrilha usa equipamentos de rapel e rouba cerca de R$ 500 mil de empresas

Por: Estado de Minas

Publicado em: 28/08/2019 23:08 Atualizado em:

Equipamentos de rapel foram utilizados em 15 furtos, em Patos de Minas. Foto: Polícia Civil/Divulgação
Equipamentos de rapel foram utilizados em 15 furtos, em Patos de Minas. Foto: Polícia Civil/Divulgação
Cinco homens que formavam uma quadrilha em Patos de Minas, no Alto Paranaíba, agiam há mais de oito meses furtando empresas. O prejuízo teria chegado a R$ 500 mil em dinheiro e mercadorias. Os integrantes, segundo a Polícia Civil, usavam equipamentos de rapel, cordas, cinto, luvas e caixa de ferramentas para cometer o crime. 

Na madrugada de ontem, a quadrilha cometeu um furto a um sacolão e foi surpreendida pela Polícia Militar, que já já estava à procura dos criminosos. Eles deixaram para trás uma mochila, R$ 16 mil e uma luva. Nesta quarta-feira, um dos homens, de 27 anos, foi preso em flagrante.  

O delegado Everton Evangelista informou, em entrevista coletiva, que o homem que planejava os crimes tem 35 anos e já confessou cerca de 10 arrombamentos. Ainda segundo o delegado, o bandido escolhia as empresas pelo Google, e, pelas fotos disponibilizadas, estudava o posicionamento das câmeras. Assim, eles entravam pelo telhado com seus equipamentos e arrombavam os cofres.

O mandante não foi preso, mas o delegado ressalta que ele se apresentará nesta quinta-feira, segundo seu advogado. Ele já foi preso anteriormente, acusado de furto, mas na época foi liberado pela Justiça.

Um outro rapaz, de 21 anos, não foi localizado, mas, na casa dele, os policiais encontraram a luva que formava par com a que foi deixada no furto ao Sacolão Center. Os outros dois integrantes já foram identificados pela polícia, mas a corporação preferiu manter sigilo até que a prisão seja feita. 

Todos eles, segundo o delegado, têm passagem pela polícia por tráfico de drogas e posse de armas de fogo. Um carro usado nos roubos e duas motocicletas que pertencem aos suspeitos foram apreendidos. 


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.