Inovacred 4.0 Linha de crédito de R$ 200 milhões para planos de inovação digital

Por: Luciana Morosini

Publicado em: 11/06/2019 13:19 Atualizado em: 11/06/2019 17:26

Eduardo Maxnuck e Newton Hamatsu explicam que crédito é aumentar a produtividade de pequenas e grandes empresas. Foto: Luciana Morosini/DP
Eduardo Maxnuck e Newton Hamatsu explicam que crédito é aumentar a produtividade de pequenas e grandes empresas. Foto: Luciana Morosini/DP

A Financiadora de Estudos e Projetos (Finep) lança nesta terça-feira uma linha de crédito com recursos de R$ 200 milhões com foco nos planos de digitalização de empresas com faturamento de até R$ 300 milhões. O Inovacred 4.0 é voltado para agregar soluções digitais nas linhas de produção das empresas com o objetivo de aumentar a produtividade delas. O crédito começa aberto para os setores da indústria e da agricultura e o passo inicial é começar a credenciar as integradoras no prazo de 15 a 20 dias para passar a disponibilizar o financiamento em cerca de 40 dias.

Segundo Newton Hamatsu, superintendente de Inovação do Finep, no Brasil, 1,6% da indústria nacional tem tecnologia 4.0, mas que esse percentual engloba, basicamente, as grandes. Ele reforça, no entanto, a importância de inserir as pequenas e médias também nesse processo de inovação. "É importante falar que 4.0 é o tema do momento e não do futuro. Se analisarmos países mais avançados, como Alemanha, Estados Unidos, Coréia, China e Japão, eles têm iniciativas para estimular as empresas para desenvolver tecnologias 4.0 e é importante para o Brasil estar nessa fronteira", analisa.

A Finep já tinha uma linha de crédito, a Inovacred, voltada para desenvolvimento de processos e de produção da indústria e que já atingiu R$ 1,5 bilhão de valor apoiado desde 2013. Agora a linha de financiamento Inovacred 4.0 tem o objetivo de ser mais célere e ainda o de inserir pequenas, médias e grandes empresas no processo de digitalização. As com faturamento de até R$ 16 milhões, podem ter acesso a financiamento de até R$ 3 milhões, enquanto as que têm faturamento maior, podem alcançar o patamar dos R$ 5 milhões.

"Os projetos são feitos a partir de empresas integradoras que têm aplicação de expertises para a implantação de tecnologias 4.0. Ela faz o serviço de consultoria na empresa, avalia as linhas de produção para ver quais têm o maior potencial de ganho de produtividade e de que forma ela pode agregar soluções digitais para isso", explica Eduardo Maxnuck, analista da área de Planejamento da Finep, durante o 8º Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria, em São Paulo.

As integradoras serão credenciadas e as empresas interessadas na implementação de alguma tecnologia na linha de produção vai poder ter acesso ao que está sendo oferecido. Além de melhorar os processos das empresas, também vai dar maior respaldo para as integradoras, fomentando tanto o meio quanto o fim do processo. "A integradora vende o seu serviço mais fácil. Normalmente ela tem um gasto muito grande para comprar equipamentos e vai passar isso para uma pequena empresa, que vai parcelar em cinco anos. A integradora assume o risco e vai receber a prazo. E ela pega o capital de giro com juros a 25% ou 30% ao ano no mercado. Estamos oferecendo taxa de 6,5% ao ano", ressalta Newton Hamatsu, que ainda complementa que as integradoras podem atender a regiões específicas e que Pernambuco pode estar na rota.

No Inovacred, o apoio é feito a partir de agentes financeiros credenciados, que são agências de fomento e bancos de desenvolvimento regionais. O prazo de carência é de até 24 meses e de amortização de 96 meses. O percentual de financiamento é entre 80% e 90%, de acordo com Eduardo Maxnuck.



Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.