Investigação Polícia descarta latrocínio em triplo homicídio ocorrido em mansão em Barra de Jangada

Por: Mariana Fabrício - Diario de Pernambuco

Publicado em: 11/06/2019 08:19 Atualizado em:

Foto: Peu Ricardo/DP Foto. (Foto: Peu Ricardo/DP Foto.)
Foto: Peu Ricardo/DP Foto.

O Departamento de Homicídios e Proteção a Pessoa (DHPP) da área sul está investigando como execução o triplo homicídio ocorrido no último domingo (9), em uma mansão localizada em Barra de Jangada, no município de Jaboatão dos Guararapes, Região Metropolitana do Recife. A Polícia descartou a possibilidade de latrocínio, já que nada foi roubado do interior da casa e das vítimas. Uma das linhas de investigação apontadas pela perícia é de que o executor já estava dentro da casa com as duas mulheres e homem que foram mortos.

Quando a perícia chegou ao local do crime, encontrou duas mulheres e um homem vestidos com roupas de banho atingidos por disparos nas cabeças. A polícia localizou 15 munições deflagradas de um revólver nove milímetros, que não foi encontrado no local, pouca quantidade de maconha e bebida alcoólica. Um carro que pertence ao homem foi apreendido para passar por perícia. Todos os corpos foram encaminhados ao Instituto de Medicina Legal (IML).

O homem foi identificado como Eduardo Antônio da Silva Pires, 43 anos. O documento de identidade encontrado com ele indicava nascimento no estado de Minas Gerais. Familiares estiveram no IML nesta segunda, mas estavam abalados e preferiram não dar entrevista. As duas mulheres que estavam com ele na casa ainda não foram identificadas e os corpos das vítimas permanecem no Instituto.

O delegado Huberto Ramos, que estava de plantão na Força-tarefa de homicídios no último domingo (9), data em que ocorreu os homicídios, conta que provavelmente o autor dos tiros já estava dentro do imóvel com as vítimas. "A pessoa que executou estava na casa ou chegou depois e as vítimas deixaram entrar porque não havia sinal de arrombamento. Uma vizinha falou que por volta das 4h da madrugada ouviu os disparos. Imagens de câmeras devem ajudar a esclarecer os fatos", comentou.

A mansão localizada no número 637 da pacata rua Professor Mário Ramos esteve interditada pelo Instituto de Criminalística na noite de domingo. Nesta segunda, já não haviam manchas de sangue e o imóvel estava fechado. Um inquérito foi aberto na 12° Delegacia de Homicídios (DPH) para investigar a motivação e apontar o autor do crime.


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.