Especial A essência da musicalidade nos afoxés de Pernambuco

Por: Samuel Calado - Redes Sociais e Site

Publicado em: 07/06/2019 21:28 Atualizado em: 07/06/2019 21:52

Percussionistas do Afoxé Filhos de Dandalunda. Foto: Samuel Calado/DP
Percussionistas do Afoxé Filhos de Dandalunda. Foto: Samuel Calado/DP

Assim como nos terreiros de Candomblé, os instrumentos no afoxé são considerados sagrados. O percussionista do Afoxé Alafin Oyó, Chiquinho de Assis, da comunidade do V8, no Sítio Histórico de Olinda, conta que eles são vistos como uma extensão do corpo. “Eles possuem a intenção de comunizar aos sentidos do nosso corpo e fazer a conexão com as divindades”, explica. 



O percussionista do Afoxé Filhos de Dandalunda, Bribri N'Zazi, do bairro da Imbiribeira, Zona Sul do Recife, fala sobre a diferença entre os nomes dados aos músicos dentro dos terreiros e no afoxé. “Enquanto nos barracões somos chamados de Ogãs, no afoxé recebemos o nome de Alabê, mas nos dois locais temos a função de conservar, preservar e cuidar desses instrumentos sagrados”, elucida. 

Bribri N'Zazi, vocalista e percussionista do Afoxé Filhos de Dandalunda. Foto: Samuel Calado/DP
Bribri N'Zazi, vocalista e percussionista do Afoxé Filhos de Dandalunda. Foto: Samuel Calado/DP


Instrumentos
Os instrumentos dentro dos afoxés recebem nomes diferentes devido a tradição religiosa que os grupos representam. Nos de tradição nagô, por exemplo, os três atabaques que dão a base dos ritmos do afoxé são conhecidos como Ian, Melé-Ancó e Melé; nos de tradição Ketu os mesmos instrumentos são conhecidos como Rum, Rum-pi e Lé e na tradição Bantu eles recebem os nomes de Cumcumbi, Cumcumbu, Cumcumbê.

Percussionista do Afoxé Ará Omim tocando Atabaque. . Foto: Samuel Calado/DP
Percussionista do Afoxé Ará Omim tocando Atabaque. . Foto: Samuel Calado/DP


Outros instrumentos utilizados na musicalidade do afoxé são:

- O agogô (instrumento feito de metal geralmente tocado com uma baqueta de madeira ou ferro);

Agogôs do Afoxé Obá Iroko.. Foto: Samuel Calado/DP
Agogôs do Afoxé Obá Iroko.. Foto: Samuel Calado/DP


- O agbê (instrumento feito de cabaça envolvido com uma rede de miçangas). Esses elementos também são vistos nas celebrações dos terreiros de candomblé;

Agbês do Afoxé Alafin Oyó. Foto: Samuel Calado/DP
Agbês do Afoxé Alafin Oyó. Foto: Samuel Calado/DP


- Tantan (tambor com sonoridade grave);

Tantan do Afoxé Alafin Oyó. Foto: Samuel Calado/DP
Tantan do Afoxé Alafin Oyó. Foto: Samuel Calado/DP


E o Timbal (instrumento de metal com sonoridade mais aguda).

Timbal do Afoxé Alafin Oyó. Foto: Samuel Calado/DP
Timbal do Afoxé Alafin Oyó. Foto: Samuel Calado/DP


Ouça a sonoridade deles no vídeo abaixo: 



Segundo Fabiano Santos, presidente do Afoxé Alafin Oyó, hoje em dia existem grupos que colocam até instrumentos de sopro para harmonizarem seus repertórios”, pontua. A forma como se executa cada instrumento é bem similar.

Os ritmos
A tradição religiosa que cada grupo segue e a divindade que rege os afoxés influenciam diretamente na musicalidade. No Alafin, o principal ritmo tocado é o Alujá (toque em reverência a Xangô), no Omo Inã é o Adahum (toque em reverência a Oyá), no Obá Iroko é o Agueré (toque em reverência às divindades ligadas às matas), no Ará Omim é o Batá e no Filhos de Dandalunda é o Ijejá ou Ijexá (ritmo em reverência ao orixá Oxum, que na tradição Angola recebe o nome de Dandalunda).
 
Nos vídeos a seguir, você irá perceber as identidades através dos percussionistas de cada grupo: 

FELIPE SILVA (Afoxé Alafin Oyó)



MAYCON FERREIRA (Afoxé Ará Omim)



PINHA BRASIL (Afoxé Omo Inã)



Como visto, o orixá exerce influência direta na musicalidade. Abaixo seguem alguns ritmos e suas divindades.
 
De acordo com Fabiano Santos, os toques que sonorizam os orixás são:
 
Exu: Bravum
Ogum: Adahum  
Egó: Iansã   
Oxóssi: Agueré
Xangô: Alujá
Iroko: Ramúnia
Nanã: Adahum e Sete por um
Obá: Adahum com passado (Aluja para Obá)
Ewá: Adahum  
Obaluaê: Adahum
Iemanjá: Batá
Oxum: Ijexá Nagô
Oxalá: Bravum

Clóvis Ramos, vocalista e presidente do Afoxé Obá Iroko. Foto: Samuel Calado/DP
Clóvis Ramos, vocalista e presidente do Afoxé Obá Iroko. Foto: Samuel Calado/DP


As composições
 
Sendo o Afoxé um instrumento de militância negra, nas músicas, além da religiosidade, os compositores encontram inspirações em temáticas como o combate ao preconceito racial, a discriminação e a falta de oportunidades para a população negra, em sua maioria, marginalizada pelas esferas públicas. Sendo o Brasil um país historicamente marcado pela desigualdade na distribuição de renda e na relações étnico-raciais, as entidades culturais se transformam em grandes manifestações de denúncias e afirmação da identidade.
 
O vocalista e compositor do Afoxé Obá Iroko, Clóvis Ramos, do bairro de Água Fria, na Zona Norte do Recife, relata que o amor pelos orixás e o combate à intolerância religiosa estão sempre presente em suas canções. “Nosso repertório faz saudação a todos os orixás, pedindo justiça por um mundo sem desigualdade onde a gente possa caminhar livremente e cultuar os nossos ancestrais”, relata.



Observação:  A reportagem faz parte do especial "Afoxés de Pernambuco", produzido como trabalho de conclusão de curso de Jornalismo, sob orientação da Doutora em Comunicação Social, Nataly Queiroz. 

Veja também 



 




Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.