São João Pré-Junino: festival para celebrar a união entre os quadrilheiros de PE O evento bateu recorde de público e contou com mais de 20 apresentações no Clube Português do Recife

Por: Samuel Calado - Redes Sociais e Site

Publicado em: 02/05/2019 21:59 Atualizado em: 02/05/2019 23:13

Junina Lumiar, do bairro do Pina, na Zona Sul do Recife. Foto: Samuel Calado/DP
Junina Lumiar, do bairro do Pina, na Zona Sul do Recife. Foto: Samuel Calado/DP

A sétima edição do Pré-Junino Pernambuco, considerada a maior prévia de quadrilhas juninas do Brasil, bateu o recorde de público na última quarta-feira (01) e levou para o Clube Português do Recife, no bairro das Graças, mais de seis mil pessoas. O evento, organizado pela Federação de Quadrilhas Juninas de Pernambuco (FEQUAJUPE) teve mais de 10 horas de duração e contou com 22 apresentações, entre elas a convidada Flor de Chita, do estado de Alagoas. 

Talyson, mascote da Junina Matutada. Foto: Samuel Calado/DP
Talyson, mascote da Junina Matutada. Foto: Samuel Calado/DP

O festival já faz parte do calendário oficial dos quadrilheiros de pernambuco. Ele reforça a união e a confraternização entre os brincantes que fazem o movimento. Mais de 50 pessoas estiveram envolvidas diretamente com a organização. O evento era para terminar às 22 horas, mas a alegria do povo foi muito além. Mesmo após o término das apresentações, os amantes do movimento continuaram na parte externa até meia-noite. “Ficamos felizes ao ver que nenhuma quadrilha faltou. Estavam todos lá reforçando os laços afetivos. O sentimento é dever cumprido”, explica Michelly Miguel, presidente da federação. 

Junina Tradição, do Morro da Conceição. Foto: Samuel Calado/DP
Junina Tradição, do Morro da Conceição. Foto: Samuel Calado/DP

Mas nem tudo é só brilho e festa. Os quadrilheiros sabem como é dificultoso manter uma junina e denunciam a falta de incentivo por parte do poder público. A maioria reclama da ausência de incentivos e demonstra preocupação com a redução dos grupos. “Se a gente não se mobilizar, nada acontece”, desabafa Michelly. “Foram mais de quatro meses de produção e captação de recurso. Poderíamos ter feito mais se houvesse uma atenção maior com as pessoas que defendem o movimento”, acrescenta.

Marcador da Junina Zabumba. Foto: Samuel Calado/DP
Marcador da Junina Zabumba. Foto: Samuel Calado/DP

O festival contou com o apoio da Prefeitura do Recife, que colaborou com o equipamento de som, e de alguns patrocinadores que possuem ligação afetiva com as quadrilhas. 

Ana Paula, rainha da Junina Lumiar, do bairro do Pina, na Zona Sul do Recife. Foto: DP
Ana Paula, rainha da Junina Lumiar, do bairro do Pina, na Zona Sul do Recife. Foto: DP

Um dos colaboradores foi o empresário Tonny Magalhães, da ™ Cirúrgica, LGG Ortopedia. A área de atuação dele pode até não ser tão próxima das quadrilhas, mas o coração é mais ligado do que se imagina. Ele é casado há dez anos com Isabella Magalhães e a história de amor começou justamente em um arraial. “Ela era quadrilheira e dançava nas extintas Forró Moderno, de Rio Doce e a Flor do Abacate. Na época eu tinha bastante envolvimento com a organização nas produções do espetáculo e um certo dia a gente se conheceu. Foi amor à primeira vista”, relata.

Junina Dona Matuta, do bairro de San Martin, na Zona Oeste do Recife. Foto: Samuel Calado/DP
Junina Dona Matuta, do bairro de San Martin, na Zona Oeste do Recife. Foto: Samuel Calado/DP

Assim como os demais quadrilheiros, a preocupação está no futuro desses grupos. Tonny conta que antes as juninas competiam com mais de 100 grupos, hoje não passa de 30. “Atualmente vejo que as mirins estão sofrendo mais. A cada ano, uma se despede dos arraiais; Isso é triste e merece atenção”. Mas até as festividades do São João, muitas atividades vão acontecer.

Confira a programação: 
 
04 de maio: Festa da Junina Lumiar, no Clube Atlântico, em Olinda. 
 
04 de maio: Lançamento do tema da Balão de Prata na Quadra do Pixete, em São Lourenço da Mata. 

04 e 05 de maio: Seminário para a formação de jurados. Será realizado na ETE Macaxeira, na Zona Norte do Recife. 

11 de maio: Festa do tema da Menezes na Roça, na Galeria do Ritmo, a partir das 20 horas. 

12 de maio: Pré-Junino do Agreste e Sertão no AABB de Limoeiro.

25 de maio: Estreia da Dona Matuta no Sport Clube do Recife. 

26 de maio: Estreia da Junina Traque no Sport Clube do Recife. 


O Diario de Pernambuco, que vem acompanhando ativamente as movimentações desde o ano de 2017, realizou a cobertura ao vivo no Facebook.

Assista aos vídeos
 
Mirim Fusão 


Junina Sapeca 


Junina Matutinho Dançante 


Junina Mirim Evolução


Junina Brilho de Ouro
 

Junina União Junina 


Junina Bacamarte 
 

Junina Flor de Chita - AL 


Junina Dona Matuta 


Junina Traque
 
 

Junina Tradição 


Junina Zabumba 



Junina Matutada


Junina Origem Nordestina 


Junina Lumiar 


Junina Evolução 


Junina Chá de Zabumba

 
Junina Raio de Sol
 
 

Junina Arrocha o Nó
 
 

Junina Zé Matuto 


Junina Anarriê 


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.