Caravana Tapioca Artistas levam alegria para jovens internos em São Paulo

Por: Mariana Moraes

Publicado em: 26/04/2019 14:27 Atualizado em: 26/04/2019 17:33

Foto: Divulgação / Bruno Garibaldi
Foto: Divulgação / Bruno Garibaldi
O grupo Caravana Tapioca, criado em Pernambuco há 10 anos, faz apresentações de teatro, circo e música para jovens internos da Fundação Centro de Atendimento Socioeducativo ao Adolescente (CASA), em São Paulo. Dupla de palhaços, Nina e Cavaco. comanda os shows para o público com idade entre 12 e 21 anos incompletos, levando cultura para aqueles que, geralmente, têm pouco acesso a esse tipo de produção artística.  

Em “Circo Caravana”, espetáculo realizado nos centros, o casal de pernambucanos, Anderson Machado e Giulia Cooper, apresenta uma variedade de números circenses, como O grande faquir encantador de serpentes; Malabaristas e A foca equilibrista. Os jovens da plateia ajudam a montar o picadeiro e acompanham o processo de caracterização dos artistas - escolha dos figurinos, maquiagem, organização dos objetos em cena-, construindo uma relação mais próxima com os palhaços e deixando o clima mais leve. “É sempre uma surpresa. Muitos – quando descobrem que será uma apresentação de circo –, acham que é coisa de criança, mas é só a gente começar a se apresentar que eles se entregam e começam a rir” comenta Giulia, a palhaça Nina.  
 
 
Foto: Divulgação / Bruno Garibaldi
Foto: Divulgação / Bruno Garibaldi

Para o gerente de Arte e Cultura da Fundação, Wellington do Carmo Medeiros Araújo, as apresentações levam um momento de descontração e aprendizado para os adolescentes. “Os palhaços brincam muito com a questão do erro e, de certa forma, ensinam sobre superação. Que devemos seguir em frente”, analisa.  

Após o espetáculo, os jovens também podem falar de suas impressões e opiniões durante a roda de diálogo com os artistas. “Os bate-papos que temos depois das apresentações são muito bons. Lá eles compartilham seus sonhos, suas vontades e ainda perguntam sobre o ofício de ator. Alguns desejam até ser artistas” conta Nina.  
 
Foto: Divulgação / Bruno Garibaldi
Foto: Divulgação / Bruno Garibaldi
 
 
O projeto acontece através de incentivo do Ministério da Cidadania e da Fundação Nacional de Artes e, ao todo, mais de 400 jovens devem ter acesso às apresentações. O desejo da equipe é ampliar o número de espetáculos, mas, para isso, precisam de incentivo financeiro. “Com esse desmonte na cultura, tudo agora vai ficar mais difícil” diz Nina, referindo-se aos recentes cortes que a pasta responsável pela arte vem sofrendo. “Não são poucos os teatros que vemos fechando ou ficando sucateados por aqui. Também ficamos sabendo sobre como estão os teatros de Pernambuco.” 

A Caravana Tapioca começou no dia 21 deste mês e ainda fará mais quatro apresentações pelo interior de São Paulo. “Este é um processo que democratiza a arte e a cultura” afirma a artista. “Ele serve para vermos que todos aqueles jovens são seres humanos, são pessoas muito novas, com tempo de aprender. A arte os ajuda a abrir os horizontes e enxergar novos caminhos”.  

Confira o roteiro da Caravana Tapioca:   

Sexta, 26 de abril, às 16h | São Carlos - interior de São Paulo 

Sábado, 27 de abril, às 10h | Casa Nelson Mandela - Bauru, interior de São Paulo 

Sexta, 17 de maio, às 10h | Casa João Paulo II - Cerqueira César, interior de São Paulo 

Sexta, 17 de maio, às 14h | Casa Rio Novo - Iaras, interior de São Paulo 


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.