Música Ave Sangria cria financiamento coletivo para lançar álbum

Por: Juliana Aguiar - Diario de Pernambuco

Publicado em: 16/04/2019 11:59 Atualizado em: 16/04/2019 13:42

Grupo pernambucano está de volta com Vendavais, 45 anos após o disco de estreia. Foto: Flora Negri/Divulgação
Grupo pernambucano está de volta com Vendavais, 45 anos após o disco de estreia. Foto: Flora Negri/Divulgação

"A gente era jovem, e os adultos enterraram a gente. Agora somos adultos, e os jovens nos libertam do cárcere". A declaração de Almir de Oliveira, integrante do grupo Ave Sangria desde a primeira formação, resgata o período ditatorial no país. O regime militar cerceou direitos da banda, com a censura da música Seu Waldir, que fala do amor entre dois homens, faixa do primeiro - e único - disco, lançado em 1974. A trajetória foi interrompida.

Depois de 45 anos, a obra foi revisitada por jovens através da internet, o que motivou o músico a se unir novamente a Marco Polo e Paulo Rafael, para lançar o segundo LP, intitulado Vendavais. Para concretizar o retorno, a banda resolveu recorrer a um financiamento coletivo através da plataforma Catarse. Dependendo da quantia doada, o colaborador recebe em troca desde vinis autografados a um kit com cartazes e fotos da década de 1970.

"É um resgate da nossa história, começamos com vinil e muitas pessoas são colecionadoras, gostam e consomem bastante. É também uma demanda do público e, agora, que estamos juntando novas formas de trabalhar, queremos colocar os fãs dentro do processo. É uma maneira de nos conectar com os jovens que redescobriram a banda e nos trouxeram de volta", explica Almir, em entrevista ao Viver

 

 Foto: Flora Negri/Divulgação
Foto: Flora Negri/Divulgação
Em quatro dias, mais de 80 pessoas já contribuíram, arrecadando mais de R$ 10 mil reais. O crowdfunding está aberto até junho, e os contribuintes devem receber os vinis em edição limitada (serão 300 cópias) em setembro. "Foi um trauma parar e agora é uma alegria poder continuar. Eu estou muito feliz com o que a gente fez. É um resgate no sentido de continuar algo que foi interrompido", conta Almir. 

O álbum apresenta composições da banda entre os anos de 1972 e 1974 e que nunca foram gravadas em estúdio devido à interrupção precoce. Dia a dia é uma das 11 músicas do novo trabalho e já está disponível nas plataformas de streaming. Ser e Vendavais serão liberadas até o fim do primeiro semestre.

 

Mesclando o rock psicodélico com ritmos nordestinos, marca da banda, o disco pretende contrastar faixas acústicas com algumas mais pesadas. Contestação, temas sombrios, crítica social, entretenimento, psicodelismo, a agressividade e o lirismo acústico estarão presentes, mas agora com mais recursos tecnológicos.

"Atualmente, temos uma bagagem maior do que tínhamos naquela época. A proposta é a mesma, mas obviamente com mais modernidade. Deixamos fluir os arranjos, e tudo foi feito em grupo, com o mesmo perfil, mesmo discurso, retratando a nossa proposta de vida", afirma Almir.

O período escolhido para o retorno do grupo ironicamente reflete a volta de valores conservadores, mas a Ave Sangria demonstra manter a resistência característica. "Nossa jornada é assim, nossa luta nunca vai ter fim, nosso compromisso com a nossa verdade, a gente vai manter. Coincidência ou não, estamos voltando numa época necessária", conclui Almir. 

Confira a música:



Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.