ESTREIA Abertura da Paixão de Cristo de Nova Jerusalém recebe 10 mil pessoas Temporada 2019 vai até o dia 20 de abril, no distrito de Brejo da Madre de Deus, localizado no Agreste pernambucano

Por: Mabson Rodrigues - Diario de Pernambuco

Por: Viver/Diario - Diario de Pernambuco

Publicado em: 14/04/2019 17:44 Atualizado em: 14/04/2019 17:53

Foto: Tarciso Augusto/Esp. DP
Foto: Tarciso Augusto/Esp. DP

Uma obra marcada pela emoção, cercada pela tradição e elo de renovações de fé. Considerada a maior encenação do país durante a Semana Santa, a Paixão de Cristo de Nova Jerusalém, abriu as portas do maior teatro ao livre do mundo neste sábado (13), para sua 52ª temporada. Encenada na cidade teatro do distrito de Brejo da Madre de Deus, localizado no Agreste pernambucano, a peça recebeu mais de 10 mil pessoas na abertura e será exibida até o próximo dia 20, das 18h às 21h. Criada em 1968, pelo comerciante Epaminondas Mendonça, a peça surgiu com intuito de atrair turistas e movimentar a economia na região, até que ganhou notoriedade em todo o Brasil. Atualmente, com direção de Carlos Reis e Lúcio Lombardi, a montagem trás no enredo parte da história de Jesus Cristo, contada em nove etapas, exibidas numa gigantesca cenografia, acompanhada por uma série de efeitos especiais e um primoroso figurino assinado pela atriz e figurinista Marina Pacheco. 

Com um elenco de 450 atores, composto por renomados artistas nacionais e da região, a peça conta este ano com a participação de nomes consagrados da teledramaturgia como Juliano Cazarré (Jesus), Priscila Fantin (Maria), Ricardo Tozzi (Herodes), Gabriel Braga Nunes (Pilatos), Bruno Lopes (João) e ainda personalidades da cena pernambucana como José Barbosa (Judas), Ricardo Mourão (Caifás), Nínive Costa (Madalena), Rafaella Carvalho (Herodíades) e Júlio Rocha (Pedro). 
 
Foto: Tarciso Augusto/Esp. DP
Foto: Tarciso Augusto/Esp. DP
 
 
Jesus
Para o ator Juliano Cazarré, destaque por papéis em folhetins como A Regra do Jogo, Avenida Brasil, O Outro Lado do Paraíso e Amor a Vida, interpretar Jesus tem sido uma jornada divina, cercada de lições espirituais. “A Paixão de Cristo é um mergulho no tempo. É de fato mais que um simples trabalho, é um momento de estudo, recolhimento, concentração e entendimento. Sem dúvidas tem sido e será uma experiência repleta de ensinamentos que levarei para o resto de minha vida”, afirmou Cazarré. 
 
Ainda segundo o artista, o espetáculo sempre lhe chamou e era um de seus desejos profissionais. “Eu queria muito participar da Paixão de Cristo. O universo me ouviu e aqui estou interpretando o maior líder da história da humanidade”, disse. 

Maria
Veterana da TV, a baiana Priscila Fantin consagrou-se como atriz em sucessos da televisão como as novelas Alma Gêmea, Esperança, Sete Pecados, Chocolate com Pimenta, além da série Malhação. Para a artista, dar vida a Maria na Paixão de Cristo de Nova Jerusalém tem sido uma das maiores responsabilidades de sua carreira. “Confesso que nunca pensei em me apresentar para um público tão grande, principalmente com um papel tão simbólico e importante como o de Maria. Ela viveu uma situação tão dolorosa, e pra quem é mãe, é muito profundo se colocar no lugar dela. Tem sido um desafio cercado de emoção e realização”, revelou.

Sobre estar em Pernambuco, a atriz revelou a surpresa pela grandiosidade do lugar. “De fato eu sabia que era um teatro grandioso, mas não tinha noção do tamanho dos cenários. É encantador. Sem falar na qualidade do espetáculo que é magnífica. Estou muito feliz por estar aqui, participando dessa produção tão linda e com padrões internacionais”, contou Fantin. 
 
Foto: Tarciso Augusto/Esp. DP
Foto: Tarciso Augusto/Esp. DP
 
 
Teatro

Nomeado atualmente como o maior teatro ao ar livre do mundo, o espaço é uma das réplicas mais detalhistas da cidade de Jerusalém. Idealizada por Plínio Pacheco, a região possui 100 mil metros quadrados, o equivalente a um terço da área murada da Jerusalém original, local onde Jesus habitou. Cercada por uma muralha de pedra de 4 metros de altura e 70 torres de 7 metros cada, a cidade cenográfica contém nove palcos que reproduzem cenários naturais, arruados, palácios e templos, obras monumentais concebidas por arquitetos e cenógrafos nordestinos. 

De acordo com Robinson Pacheco, presidente da Sociedade Teatral de Fazenda Nova e coordenador geral da peça, a Paixão de Cristo é um trabalho que movimenta a vida dos profissionais durante todo o ano. “Desde o início, a encenação da Paixão sempre foi um projeto realizado com muito suor, dedicação e comprometimento de todos os envolvidos. Nós nos esmeramos na riqueza dos detalhes e no realismo das cenas, a fim de proporcionar ao nosso público uma viagem no tempo, onde as pessoas possam viver emoções e sentir como se estivessem presenciando os fatos que aconteceram anos atrás”, disse Pacheco. 

Em cartaz por oito dias, a expectativa é que 60 mil visitantes passem pelo teatro de Nova Jerusalém durante o espetáculo. Os ingressos para a peça custam R e R, e estão à venda no site oficial do evento e em pontos credenciados nas cidades de Caruaru, Recife, Surubim, Santa Cruz do Capibaribe, São José do Egito, João Pessoa, Monteiro, Campina Grande. Estudantes, professores e menores de 14 anos pagam meia-entrada. Durante os oito dias de espetáculo, a expectativa é receber cerca de 60 mil pessoas no Teatro de Nova Jerusalém. 



Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.