Artes visuais Ramonn Vieitez faz exposição enigmática e confessional no Recife O artista volta a expor na cidade depois de três anos com a mostra Um Lugar Calmo Para Minhas Certezas

Por: Viver/Diario - Diario de Pernambuco

Publicado em: 29/03/2019 15:22 Atualizado em:

Foto: Ramonn Vieitez/Divulgação
Foto: Ramonn Vieitez/Divulgação

O artista Ramonn Vieitez inaugura a exposição individual Um lugar calmo para minhas certezas, na Galeria Amparo 60, com curadoria de Ton Martins, nesta sexta-feira (29). O vernissage da mostra, primeira do ano realizada na galeria, será realizado a partir das 19h para convidados. O jovem artista vai apresentar 19 obras, entre pinturas, gravuras e objetos, a grande maioria inéditas na cidade - a última exposição individual de Vieitez no Recife aconteceu em 2016, no Museu do Ho mem do Nordeste. A entrada do público geral é a partir deste sábado (30), às 11h.

A produção representa o caminho de transformação pelo qual o trabalho de Ramonn tem passado. O caráter íntimo e confessional segue sendo uma constante, mas o artista parece ter consciência e clareza da transitoriedade de alguns momentos e, para compreendê-los, impregna suas práticas cotidianas de muito simbolismo. "O nome da mostra veio depois de longas conversas com o curador, é uma frase que aparece em um dos trabalhos da Vânia Mignone. A frase foi vista por ambos como contraditória quando posta em comparação com os trabalhos, que falam de certezas e incertezas, de plenitude e de caos, que representa bem a proposta apresentada, uma transitoriedade que representa a experiência de viver", explica Ramonn.

Neste processo, o artista passou a experimentar outras mídias, além da pintura técnica que o revelou e pela qual mantém um carinho especial. "A pintura sempre me trouxe o conforto da descoberta em seu processo, mas, às vezes, é necessário respirar novos ares, a sensação é basicamente a mesma, mas a mudança do processo traz renovação, se tornando complementos de uma constante pesquisa", pontua.

Entre esses novos experimentos, obras nas quais o artista utiliza cactos cultivados em seu jardim, que recebem nova conotação através de interferências com poliuretano e resina. Um desses cactos vem para o espaço expositivo, disposto em um objeto suspenso, referência às descobertas botânicas do século 19. Ainda brincando com o efêmero, a série de gravuras apresentadas por Ramonn utiliza como matriz impressões a jato de tinta sobre papel-alumínio, um suporte incapaz de absorver a matéria, sendo necessário transferi-la para outro corpo.

A atmosfera enigmática e um certo tom melancólico de seus trabalhos seguem tendo uma enorme força, em especial nas pinturas. Nelas, o artista continua a explorar (como em séries anteriores) ambientes misteriosos e fantásticos que abrigam jovens solitários, estáticos, que parecem esperar que algo aconteça ou que parecem viver os instantes após algum acontecimento. 

"Obras silenciosas que provocam nossos desejos implícitos de sermos distraídos ao observá-las. Assim como o misto de adoração e desejo das fotografias homoeróticas de Alair Gomes, as pinturas de Ramonn demonstram o seu fascínio pela beleza e juventude. Em alguns dos seus trabalhos o artista retrata garotos do seu convívio pessoal ou que acompanha através das redes sociais, que numa expressão moderna podem ser considerados seus "crushes", num ímpeto de aproximação e/ou contemplação afetiva”, escreve o curador Ton Martins, no texto produzido para a mostra, que fica em cartaz até 3 de maio.

SERVIÇO
Um lugar calmo para minhas certezas – Ramonn Vieitez
Onde: Galeria Amparo 60 (Rua Artur Muniz, 82, Boa Viagem, 1º andar, salas 13/14)
Quando: aberto ao público geral neste sábado, a partir das 11h
Quanto: Gratuito
Informações: 3033.6060

Visitação: 30 de março a 3 de maio. 
Terça a sexta, das 10h às 19h.
Sábados das 11h às 17h.


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.