Música Flaira Ferro une música, dança e poesia em temporada de shows no Recife Espetáculo conta com participações especiais diferentes a cada noite

Por: Caio Ponciano - Diario de Pernambuco

Publicado em: 04/05/2018 15:30 Atualizado em:

A artista se despede do disco Cordões Umbilicais em seis apresentações. Foto: Luiz Maximiano/Divulgação
A artista se despede do disco Cordões Umbilicais em seis apresentações. Foto: Luiz Maximiano/Divulgação

Depois de estrear em Pernambuco, em 2015, e passar por São Paulo, Goiás, Mato Grosso do Sul e Rezé, na França, a turnê Cordões umbilicais da recifense Flaira Ferro encerra seu ciclo com seis apresentações na Caixa Cultural Recife (Av. Alfredo Lisboa, 505, Bairro do Recife). A temporada teve início nesta quinta-feira (3) e segue até o dia 12 de maio, sempre de quinta a sábado, às 20h. 

Em performances de música, dança e poesia, Flaira incorpora elementos de rock com ritmos da cultura popular de Pernambuco, ao lado dos músicos Juliano Holanda (guitarra), Hugo Linns (baixo) e Gilú Amaral (percussão). O espetáculo conta ainda com participações especiais diferentes a cada noite. Na abertura da temporada, o convidado foi o cantor - e também marido de Flaira - Igor de Carvalho. Eles dividiram o palco na música Absurdo ser normal, composta por Igor. Os outros nomes são Ágda Moura (nesta sexta-feira, 04), Mayara Pêra (no sábado, 05), Orun Santana e Gleison Nascimento (dia 10), Antônio Marinho (dia 11) e Projeto Arrete (dia 12). 

Além de novos arranjos das canções do Cordões umbilicais, o repertório do show apresenta músicas que estarão no próximo álbum da cantora, como Coisa mais bonita, Revólver e Suporto perder. Os ingressos para as apresentações custam R$ 20 e R$ 10 (meia), à venda na bilheteria da casa. Excepcionalmente, na quarta-feira (09), às 15h, Flaira recebe a atriz e dançarina Aline Gomes na aula-espetáculo Música do corpo, exclusiva para jovens de escolas públicas e ONGs do Recife. 

Entrevista // Flaira Ferro, cantora, compositora e dançarina 

Como foi o processo de escolha das participações especiais dessa temporada? 
Sempre gostei de convidar artistas para participarem dos meus shows. Na verdade, nem sequer me lembro de ter feito algum sem participação especial. Dividir o palco com outros criadores é uma forma de aproximar universos e trocar linguagens. A escolha sempre se dá por admiração e ressonância. Nessa temporada, recebo artistas diferentes para ter um elemento surpresa em cada dia de apresentação. Todos são amigos, da minha geração, conterrâneos, que atuam de forma independente na profissão. Acompanho o trabalho de cada um e são pessoas que conversam com o que acredito. Alguns encontros serão inéditos, como é o caso de Arrete, da cantora e compositora Ágda Moura e de Aline Gomes. 

Que evolução você enxerga da Flaira do Cordões umbilicais para a Flaira de hoje? 
O Cordões sempre será um divisor de águas na minha relação com a arte, que até então era manifestada só pela dança. Nele há uma tomada de consciência sobre o que busco com a escolha de ser artista: me comunicar de forma, ao máximo, transparente, sensorial e humana. Nesses 3 anos de estrada, fazendo shows e circulando com o disco, ganhei mais confiança para cantar em público, conheço mais minha voz e domino melhor os imprevistos. Além disso, acho que hoje subo no palco com um senso de responsabilidade maior. As palavras têm poder e conduzir um show é estimular ideias e sentidos em quem assiste. Acho que estou construindo uma comunicação mais direcionada e firme do que antes.

O que os jovens de ONGs e alunos de escolas públicas vão encontrar na aula-espetáculo Música do corpo?
Contarei alguns processos de criação utilizados por mim nas letras e melodias. Costurada pelas canções do disco, a apresentação é interativa, conta com números de dança e convida o público a investigar possíveis músicas adormecidas na história de vida de cada corpo. De que maneira a poesia pode ser representada pelo movimento? Como a música pode desenhar um estado corporal? Essas perguntas vão conduzir a reflexão entre os jovens.

Ouça o disco Cordões umbilicais:



Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.