• Compartilhar no Facebook Compartilhar no Twitter Compartilhar no Google Plus Enviar por whatsapp Enviar por e-mail Mais
Música Artistas lamentam morte e relembram 'causos' do produtor Miranda Nomes como Mundo Livre S/A, Cordel do Fogo Encantado, China, O Rappa e Skank publicaram mensagens em homenagem ao músico

Por: Viver/Diario - Diario de Pernambuco

Publicado em: 23/03/2018 09:05 Atualizado em: 23/03/2018 09:49

Nascido em Porto-Alegre, músico ganhou destaque como produtor na década de 1990. Foto: SBT/Reprodução
Nascido em Porto-Alegre, músico ganhou destaque como produtor na década de 1990. Foto: SBT/Reprodução

Diante de sua importância no cenário musical nacional, diversos artistas se manifestaram sobre a morte do produtor musical Carlos Eduardo Miranda, de 56 anos. Ele faleceu na noite desta quinta-feira (22), em São Paulo, após sentir forte dor no peito. Além de bandas do Sudeste como Skank e O Rappa, Mundo Livre S/A, China, Cordel do Fogo Encantado e Johnny Hooker foram alguns dos pernambucanos que usaram as redes sociais para expressar tristeza com o falecimento do gaúcho, que também foi jurado do talent show Ídolos.

Quer receber notícias sobre cultura via WhatsApp? Mande uma mensagem com seu nome para (81) 99113-8273 e se cadastre

"Difícil expressar o profundo choque e a tristeza que se abateram sobre a banda com o súbito falecimento do músico, produtor e brilhante agitador cultural Carlos Eduardo Miranda", diz o texto publicado no perfil da banda Mundo Livre S/A. Miranda foi amigo do grupo desde o Abril Pro Rock 93, produzindo - através dos selos Banguela e Excelente Discos - os discos Samba esquema noise (1994), Guentando a ôia (1996) e Carnaval na obra (1998). "Nada como ouvir um novo disco junto com Miranda e presenciar suas primeiras reações, suas expressões de êxtase artístico, gozo e nirvana que marcaram nossas vidas...", finaliza a nota.

"Acordo com a notícia da morte de Miranda. Como eu gosto desse cara. Como ele é importante para a musica brasileira, bicho. Sei que ele 'tá' bem, a gente é que fica muito triste", publicou o cantor China no Twitter. "O espírito não morre jamais, siga na luz da evolução Miranda. Missão cumprida por aqui!", despediu-se Clayton Barros, do Cordel do Fogo Encantado. Na mesma rede social, Johnny Hooker compartilhou uma mensagem da jornalista Sarah Oliveira: "Ninguém no mundo da música foi igual a ele. Um produtor musical criativo, um cara transgressor, sem papas na língua, sincero até dizer chega, amoroso até dizer chega".

O Skank, banda que também foi produzida por Carlos, admitiu que foi ele quem "chamou a atenção da imprensa do eixo Rio-SP sobre um quarteto que vinha de Minas Gerais". "Estamos muito tristes com a notícia de seu falecimento. Que sua travessia seja tão leve e divertida quanto a vida que ele levou aqui", diz o texto dos roqueiros. A banda O Rappa, que teve o disco Acústico MTV produzido por Carlos, classificou o produtor como "um grande agitador cultural com uma grande importância na nossa carreira e de tantas outras bandas da nossa geração".

Nascido em Porto Alegre, Rio Grande do Sul, o músico ganhou destaque na década de 1990, quando lançou bandas como Raimundos e Mundo Livre S/A. Como produtor musical, também trabalhou com Virgulóides, Cansei de Ser Sexy, Graforréia Xilarmônica, Blues Etílicos, Cordel do Fogo Encantado, Móveis Coloniais de Acaju e MQN. Nos anos 2000, ele se tornou jurado de programas de talentos ÍdolosAstros Qual o seu talento, todos do SBT.

Acompanhe o Viver no Facebook:



Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.